“Na infância, a dermatite atópica tem um impacto maior que a diabetes, a doença renal crónica ou a fibrose quística”

Ana Brasileiro, dermatologista do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC), alerta para a necessidade de se procurar ajuda médica para a dermatite atópica. Em entrevista, a propósito do Dia Mundial da Dermatite Atópica, que se assinala hoje, realça que até para os casos mais graves existe resposta.