Não existem cefaleias iguais, sendo que estas se dividem em duas categorias, primárias e secundárias que, por sua vez, se manifestam de várias formas. A Classificação Internacional de Cefaleias (ICHD, na sigla inglesa) definiu mais de 150 tipos diferentes. Neste artigo, o Saúde Online apresenta 9 tipos dores de cabeça (muito comuns), as suas causas, sintomas e como pode tratar ou prevenir.

Primárias

São cefaleias que não são causadas por nenhuma condição, acontecem por si só. As mais comuns são as do tipo tensão e a enxaqueca.

1 – Cefaleias do tipo tensão:

É a dor de cabeça que a maioria das pessoas já experienciou e a mais frequente. É caracterizada como uma dor constante nos dois lados da cabeça, podendo ser acompanhada por outros sintomas como alteração à sensibilidade nos ombros, no pescoço e na cara, pressão atrás dos olhos e intolerância à luz e ao som.

Este tipo de cefaleia não está associado a nenhuma doença, sendo o stress, a ansiedade e a depressão as causas mais comuns. Pode também ocorrer em caso de má postura, tensão ocular, desidratação, ruído, poucas horas de sono, saltar refeições e falta de exercício.

Por norma, os analgésicos podem ajudar a parar ou a reduzir a dor. Contudo, algumas mudanças no estilo de vida podem ajudar a prevenir as cefaleias do tipo tensão como praticar exercício físico ou dormir horas suficientes.

2 – Enxaqueca

É um tipo de cefaleia muito comum, descrito como uma dor intensa, unilateral, pulsátil e que pode durar entre 4 a 72 horas. Tem maior incidência nas mulheres e poderá ter um carácter hereditário. A sua ocorrência pode ir de várias vezes por semana a uma vez por ano.

Os sintomas mais recorrentes são a sensibilidade à luz, ao som e a cheiros, náuseas e vómitos, e distúrbios visuais e sensoriais – as auras. As causas da enxaqueca podem estar associadas a cansaço, ansiedade, saltar refeições, desidratação, mudanças hormonais, alguns alimentos e medicamentos e ambientes com muito ruído ou luz.

Tal como as cefaleias de tipo tensão, a dor da enxaqueca poderá parar ou ser reduzida com analgésicos ou com algumas ações como descansar num local escuro, colocar um pano frio na zona da dor e beber muita água. A acupuntura e a meditação podem ser tratamentos a considerar.

3 – Cefaleia em salva

As dores de cabeça em salva são descritas como severas e dolorosas, de tempo limitado, podendo durar dias, semanas ou meses, e mais propensas a acontecer em homens e fumadores.

Por norma afetam um lado da cabeça e a zona ao redor dos olhos. Pode ocorrer o entupimento e/ou escorrimento nasal, transpiração, inchaço na pálpebra, náuseas e agitação. Cada episódio pode durar entre 15 minutos a 3 horas com a possibilidade de se repetir várias vezes ao longo do dia.

Ao contrário dos outros tipos de cefaleias, os analgésicos não servem como opção para aliviar a dor. O tratamento aqui aplicado destina-se a reduzir a intensidade e frequência dos ataques, com opções que incluem outro tipo de fármacos e acupuntura.

As pessoas que sofrem deste tipo de dor de cabeça devem também evitar ingerir bebidas alcoólicas e fumar.

 4 – Dor de cabeça de atividades físicas

 Por vezes a prática de exercício físico que envolve muito esforço pode causar dores de cabeça. Os efeitos são semelhantes aos da enxaqueca, sendo mais comuns a pessoas com antecedentes familiares desse tipo de cefaleia.

Atividade físicas como correr, saltar, levantar pesos ou relações sexuais estão entre as causas, juntamente com ataques de tosse ou espirros. A dor é descrita como latejante, sentida ao longo da cabeça e de curta duração, apesar de em certos casos pode durar até dois dias.

Os analgésicos são uma opção para aliviar ou parar as dores.

 

Secundárias

 São dores de cabeça que resultam de outras condições de saúde como lesões ou consumo de álcool.

5 – Dores de cabeça por lesões

Por vezes uma lesão na cabeça ou no pescoço pode causar a dor, acompanhada de outros sintomas como inconsciência, vómitos, perda de memória e problemas de audição ou visuais. Estas situações podem ocorrer no momento da lesão ou mais tarde (até meses depois).

As dores são semelhantes às da enxaqueca e do tipo tensão, existindo a possibilidade de aliviar com analgésicos. Contudo, tratando-se de uma lesão, se a dor de cabeça persiste o ideal será consultar o seu médico.

6 – Por excesso de medicação

Este tipo de cefaleia ocorre quando são tomados analgésicos em excesso como forma de aliviar as dores de cabeça, gerando um ciclo de dor que passa e volta, e que acaba por induzir ao consumo constante da medicação. Esta situação é frequente nas pessoas que sofrem de enxaqueca ou dor de cabeça do tipo tensão.

O único tratamento possível será deixar a medicação por completo. Contudo, este procedimento tende a piorar os sintomas, surgindo efeitos associados à largada dos medicamentos como ansiedade, distúrbios do sono e náuseas.

A cura pode levar cerca de 10 dias. Após dois meses, existe a possibilidade de voltar ao antigo padrão da enxaqueca, mas já será seguro voltar à medicação. Porém, a melhor forma de prevenir será não tomar mais do que dois analgésicos por semana e usar medicação que ajude a prevenir a enxaqueca.

7 – Associada à cafeína

Beber café é um hábito muito comum entre as pessoas, mas o consumo excessivo de cafeína (mais de 400 mg) pode causar dores de cabeça. Em certos casos, para quem tem o hábito de consumir cafeína diariamente, a sua retirada repentina pode resultar em enxaquecas, acompanhada de outros indícios como náuseas, mau humor, cansaço e falta de concentração. Por norma, estes sintomas acalmam quando volta a beber café ou acaba de forma definitiva num espaço de 7 dias sem consumo.

A melhor forma de prevenir as cefaleias deste tipo será reduzir (ou até parar) o consumo de cafeína.

8 – Dor de cabeça menstrual

 Este tipo de dor de cabeça está associado a mudanças hormonais, nomeadamente, nos níveis de estrogénio. Pode ocorrer antes ou durante o período menstrual ou durante a ovulação. Os sintomas são semelhantes aos da enxaqueca sem aura, mas com maior duração.

A menopausa, a gravidez e os contracetivos orais são as causas deste tipo de cefaleia. O tratamento é o mesmo que a enxaqueca e a prevenção passa por diferentes métodos como a realização de terapia hormonais ou, no caso da menopausa,  de reposição de hormonas. Juntamente com o seu médico pode verificar uma alternativa aos contracetivos orais.

9 – Dores de cabeça de ressaca

O consumo de álcool pode levar a uma dor de cabeça na manhã seguinte. Este tipo de cefaleia costuma afetar os dois lados da cabeça e, por vezes, é acompanhada de náuseas e sensibilidade à luz.

Os sintomas tendem a desaparecer num espaço de 72 horas e podem ser reduzidos com analgésicos ou bebendo muita água. De forma a evitar este mau estar, o aconselhável é beber álcool com moderação, não consumir com o estômago vazio ou alternar as bebidas alcoólicas com água.

Saúde Online

ler mais