Alterações motoras e dor na doença de Alzheimer e outras demências: como gerir?

Dra. Marina Mateus, Fisioterapeuta do NeuroSer, Centro de Diagnóstico e Terapias […]

Dra. Marina Mateus, Fisioterapeuta do NeuroSer, Centro de Diagnóstico e Terapias para Alzheimer e outras patologias neurológicas

 

Quais são as principais alterações motoras manifestadas pelos doentes com Doença de Alzheimer ou outra demência?

A demência constitui uma patologia predominantemente cognitiva, mas também está associada a alterações motoras. Estas são muitas vezes desvalorizadas, por pensar-se que estão unicamente relacionadas com o avançar da idade.
As alterações motoras, bem como o seu surgimento diferem consoante o tipo de demência diagnosticado, destacando-se como principais a diminuição da mobilidade que se caracteriza por uma lentificação do movimento global, alterações da marcha e a diminuição do equilíbrio, principal fator que contribui para o aumento do risco de queda. Para além destas, a dor é outro problema comum nesta população.
Estas alterações irão condicionar a mobilidade, a funcionalidade, a independência e qualidade de vida destas pessoas.

As pessoas com doença de Alzheimer ou outra demência têm menos dor?

A dor é um problema real e comum, sendo que as pessoas com demência não sentem menos dor, mas têm sim uma maior dificuldade em reconhecer e comunicar a dor.
A literatura sugere que a dor músculo-esquelética, a dor oro-facial e a dor neuropática, são as mais comuns nesta população.
Um dos fatores importantes é o cuidador/familiar estar atento e reconhecer os comportamentos sugestivos de dor, como a expressão facial, a linguagem corporal e as vocalizações negativas. A presença de dor tem um impacto muito grande na qualidade de vida destas pessoas, podendo ocorrer como consequência a diminuição da socialização, o agravamento do padrão de sono e do apetite, o aumento da agitação, bem sintomas depressivos, levando consequentemente a uma sobrecarga nos cuidados prestados pelos cuidadores. É por isso fundamental a promoção do conforto, da mobilidade e do exercício físico das pessoas com demência.

Há alguma coisa que o cuidador/familiar possa fazer para menorizar as alterações motoras que vão surgindo?

Sabe-se que o exercício físico regular tem um impacto crucial na cognição, na capacidade física e nas atividades de vida diária das pessoas com demência. Está demonstrado também que a realização de um programa de exercícios a longo prazo diminui a exigência dos cuidados prestados pelos cuidadores.
Torna-se, assim, fundamental que o exercício físico seja uma prática regular, não só em contexto controlado (fisioterapia), como em casa.
No entanto, o tipo de exercício e as suas características devem ser ajustados às capacidades físicas, à tolerância e aos gostos da pessoa em si, sendo que aspetos como o ambiente onde é realizado, a duração, a intensidade, são fundamentais de serem definidos adequadamente. Para isso é fundamental o aconselhamento com um profissional de saúde da área, como o fisioterapeuta.
A caminhada é um ótimo exemplo de uma atividade que pode ser realizada para promover a mobilidade e, ao mesmo tempo, contribuir para um momento prazeroso para estas pessoas.

Qual o papel da fisioterapia neste contexto?

A fisioterapia é a principal área responsável por intervir nestas alterações, sendo o seu principal objetivo manter a máxima funcionalidade e independência, de forma a facilitar as atividades de vida diária, durante o maior tempo possível e lidar com as alterações motoras que possam surgir da demência e do avançar da idade.
Para além disso, tem também um papel fundamental no ensino aos cuidadores e familiares de dicas a adotar em casa para a promoção do exercício físico e na prevenção e redução do risco de quedas, bem como o surgimento de dor e outras complicações motoras.

 

ler mais

RECENTES

ler mais