Num vídeo em direto no Facebook, a presidente da ASPE, Lúcia Leite, pede que os enfermeiros que têm aderido à greve cirúrgica “suspendam imediatamente a greve”, mas que “não abandonem a luta”.

“Entendemos que não é o caminho para os enfermeiros entrarem em batalhas judiciais desta natureza”, afirmou Lúcia Leite, depois de ser conhecido o parecer do conselho consultivo da Procuradoria-geral da República que considerou a greve ilícita.

A decisão surge depois de alguns enfermeiros terem sido ameaçados com faltas injustificadas a partir de hoje caso não se apresentem ao serviço, na sequência do parecer da Procuradoria-Geral da República sobre a greve.

No entanto, o outro sindicato que apoia a greve cirúrgica, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal, pediu aos enfermeiros que não parem a greve e afirmou que só uma decisão dos tribunais o pode fazer.

O Sindepor apela aos enfermeiros que não se deixem intimidar por ameaças verbais” e continuarem a “cumprir escrupulosamente” os serviços mínimos.

LUSA/ SaúdeOnline

ler mais