Ordem dos Médicos apela ao Curry Cabral para criar circuitos independentes

15 Abr, 2020

Para o bastonário dos Médicos a separação de circuitos é possível porque, afirmou, o Curry Cabral é um "hospital grande e com muito espaço" para separar os "doentes covid" dos doentes "não covid".

“Aguardo resposta. Esta posição foi transmitida ao conselho de administração, na segunda-feira, através de correio eletrónico. Não sei se já foi lida mas é um apelo para que a situação seja resolvida rapidamente porque, a manter-se, pode ser prejudicial para toda a gente: para os profissionais e para os doentes”, disse à Lusa Miguel Guimarães.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos a separação de circuitos é possível fazer-se porque, afirmou, o Curry Cabral é um “hospital grande e com muito espaço” para separar os “doentes covid” dos doentes “não covid” frisando que a unidade hospitalar desempenha funções específicas.

Estamos a falar de um serviço que é um dos principais serviços de transplantação do país e da Europa. Tem muitos doentes, por via da transplantação, imunodeprimidos e é fundamental que existam circuitos diferentes dentro do próprio Hospital Curry Cabral, para os doentes que são ‘covid’ e um circuito completamente independente para os doentes ‘não covid’, nomeadamente os doentes transplantados e doentes oncológicos”, disse.

O bastonário, que já manifestou publicamente a posição da Ordem dos Médicos na quinta-feira, recorda que faz parte das próprias “recomendações” da Direção-Geral da Saúde que existam circuitos diferentes para separar os doentes que estão infetados com o novo coronavírus dos doentes que não estão.

“É o que está a acontecer, por exemplo no Hospital de São João e não faz sentido que no Curry Cabral isso não aconteça”, frisa.

“É isso que os médicos (do Centro Hepato-bilio-pancreático) e até os doentes do Curry Cabral estão a pedir. Há uma petição feita por doentes (Grupo de Transplantados do Hospital Curry Cabral), no sentido de que existam áreas diferentes para ‘doentes covid’ e ‘não covid'”, afirmou José Miguel Guimarães.

A Ordem dos Médicos emitiu uma nota na semana passada frisando que os doentes ‘não covid’ não podem ser deixados “para trás” sendo que a própria Convenção Nacional de Saúde, que representa mais de 150 instituições portuguesas, entre as quais as ordens profissionais, fez uma chamada de atenção no mesmo sentido.

Na quinta-feira, o secretário de Estado da Saúde garantiu que a saída de serviços do Hospital Curry Cabral, em Lisboa, por causa da pandemia da covid-19, só acontecerá “de acordo com a evolução do surto e se vier a ser necessário”.

“Se, obviamente, não vier a ser necessário, manteremos, como é óbvio, os serviços nos respetivos locais onde estão atualmente”, afirmou António Lacerda Sales na conferência de imprensa diária para acompanhamento da pandemia.

Na semana passada,​ o corpo clínico do Centro Hepato-bilio-pancreático e de Transplante do Hospital Curry Cabral demonstrou em carta aberta o apoio ao diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação, Américo Martins, demissionário, em protesto pela não aplicação da proposta dos médicos sobre a criação das áreas isoladas.

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Médicos do Curry Cabral contra transferência de Centro de Transplante para Santa Marta

Corpo clínico do Centro Hepato-bilio-pancreático e de Transplante do Hospital Curry Cabral apoia diretor cessante e pede intervenção da tutela.

Demitiu-se o diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral

Américo Martins demitiu-se ontem por ter visto negada a proposta de reorganização do serviço na unidade deste hospital de Lisboa.

Grupo de Transplantados do Curry Cabral receia correr risco de vida

O Grupo lançou uma petição pública apelando à manutenção dos serviços destinados aos doentes transplantados e oncológicos.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais