Médicos do Curry Cabral contra transferência de Centro de Transplante para Santa Marta

13 Abr, 2020

Corpo clínico do Centro Hepato-bilio-pancreático e de Transplante do Hospital Curry Cabral apoia diretor cessante e pede intervenção da tutela.

“A rejeição pelo Conselho de Administração do CHULC desta proposta, que defende intransigentemente o interesse dos doentes Covid-19 positivo e negativo, levou à demissão de Américo Martins do cargo de Diretor do Centro Hepato-Bilio-Pancreático e Transplantação da Área da Cirurgia”, recorda a carta aberta enviada hoje à administração da unidade hospitalar.

“Deste modo, o corpo clínico vem expressar a total solidariedade com a decisão de Américo Martins. A concretização da sua proposta, permitirá retomar a atividade deste centro, tratando adequadamente os doentes como até ao início da pandemia, sem prejuízo dos doentes covid-19 positivos”, escrevem os especialistas do Curry Cabral.

Por este motivo, o corpo clíníco apela às entidades competentes que intercedam junto da tutela para evitar o desmantelamento de um dos “maiores centros de referência do país e da Europa” sublinhando que querem continuar a tratar doentes que “tanto precisam”.

A carta aberta refere que o Hospital de Curry Cabral possui instalações que permitem circuitos independentes com bloco operatório (incluindo recobro e Unidade de Cuidados Intensivos), consulta, internamento e exames complementares para doentes covid-19 positivos e negativos sem necessidade de quaisquer obras.

 

Hospital de Santa Marta não apresenta as condições mínimas”

 

Segundo os médicos, “estes circuitos permitiriam tratar de forma separada e segura os dois grupos de doentes”.

“O Hospital de Santa Marta não apresenta as condições mínimas para receber um centro com as características e necessidades do CHBPT do Hospital de Curry Cabral”, alertam os especialistas na carta aberta.

Na carta aberta dirigida à administração da unidade hospitalar, o corpo clínico diz ainda que além de uma equipa multidisciplinar constituída por cirurgiões, imagiologistas de intervenção, gastrenterologistas/hepatologista , nefrologistas, intensivistas, anestesistas imuno-hemoterapeutas, anatomo-patologistas e oncologistas peritos, equipa de enfermagem “altamente diferenciada” e restantes profissionais de saúde, dispõe ainda “do melhor e mais bem equipado” Bloco Operatório do Serviço Nacional de Saúde, de uma Unidade de Radiologia de Intervenção com equipamento de última geração e instalações de consulta e internamento adaptadas a este tipo de doentes.

​O diretor do Serviço de Cirurgia Geral e Transplantação do Hospital Curry Cabral, Américo Martins, que se demitiu disse à Lusa que o Conselho de Administração deve aceitar o plano de reorganização que os médicos apresentaram.

Tem de haver um recuo por parte da Administração até pela dimensão do apoio que estamos a ter: os doentes transplantados já fizeram uma petição ao Presidente da República e ao Governo e a nível interno os cirurgiões estão todos unidos contra o Conselho de Administração. Só têm uma alternativa, têm de recuar”, afirmou o cirurgião, sublinhando total incompreensão sobre a posição tomada.

“Ou é incompetência ou não sei classificar, talvez estejam a levar à letra o que o Governo, ou pelo menos o que o Ministério da Saúde defendeu no mês passado sobre fazerem do Curry Cabral um hospital covid. Agora, até acho que já nem é necessário e, por isso, criámos um plano alternativo e independente sem covid”, disse, alertando que há outros doentes que precisam de ajuda urgente.

“Nós só operamos doentes oncológicos prioritários e transplantação e queríamos criar um espaço totalmente independente para continuarmos a nossa atividade – em termos mais reduzidos – mas a continuarmos a operar todos aqueles doentes que correm perigo de vida e que têm de ser operados”, sublinhou o diretor do serviçp.

“Eu demiti-me porque o Conselho de Administração quer levar para a frente um plano que inviabiliza a criação de um circuito totalmente independente aqui no Curry Cabral e não querem recuar e se não recuam não é possível criar um circuito alternativo e independente, para os doentes que não são covid”, disse à Lusa Américo Martins, frisando que a mudança poderia ser feita sem custos e em pouco tempo.

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Demitiu-se o diretor do serviço de cirurgia e transplantação do Curry Cabral

Américo Martins demitiu-se ontem por ter visto negada a proposta de reorganização do serviço na unidade deste hospital de Lisboa.

Grupo de Transplantados do Curry Cabral receia correr risco de vida

O Grupo lançou uma petição pública apelando à manutenção dos serviços destinados aos doentes transplantados e oncológicos.

Coronavírus chega a Lisboa. Confirmado caso positivo no Curry Cabral

(em atualização)

20 pessoas em quarentena no Hospital Curry Cabral vão para casa no sábado

Graça Freitas revela que continuam sem sintomas, mas irão repetir análises na próxima sexta-feira.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais