2 Out, 2018

Investigação sobre imunoterapia para tratamento do cancro vence Prémio Nobel da Medicina

Os laureados, James P. Allison e Tasuku Honjo, descobriram novas formas de bloquear os travões do nosso sistema imunitário, ajudando ao desenvolvimento de dois fármacos inovadores na luta contra cancros em estado avançado e metastizado.

O Prémio Nobel da Medicina 2018 foi atribuído ao investigador norte-americano James P. Allison e ao também investigador japonês Tasuku Honjo, pelas descobertas relacionadas com o papel do sistema imunitário na luta contra o cancro, anunciou esta manhã o Comité Nobel no Instituto Karolinska, em Estocolmo, na Suécia.

“O Prémio Nobel deste ano assinala um marco na luta contra o cancro”, anunciou o comité do Nobel esta segunda-feira, acrescentando que as investigações dos dois laureados representam uma mudança de paradigma. “É um princípio totalmente novo. Neste caso, em vez de ter como alvo as células cancerosas, estas abordagens usam os travões das células do nosso sistema imunitário para travar o cancro.” A descoberta feita pelos dois investigadores aproveita, desta maneira, a capacidade do nosso sistema imunitário de atacar as células cancerosas estimulando-o e activando os “travões” nas células do sistema imunitário, os linfócitos T.

A imunoterapia é uma forma inovadora de tratamento para o cancro, através da qual é possível estimular as células do sistema imunitário para que possam lutar contra as células malignas. Os resultados mais promissores na luta contra o cancro, têm sido alcançados com o cancro do pulmão,o melanoma e com alguns tipos de leucemia e de linfomas.

Tasuku Honjo e a sua equipa, numa fotografia tirada há poucos minutos, depois do anúncio do Comité Nobel

 

James P. Allison, da Universidade do Texas, estudou, durante décadas, os linfócitos T e, em particular, uma proteína, a CTLA-4, que funciona como um travão no sistema imunitário. O trabalho que desenvolveu no seu laboratório levou ao desenvolvimento do ipilimumab, um anticorpo monoclonal que combate a CTLA-4 e que foi a primeira terapia de controlo (checkpoint) imunitário desta proteína aprovada pela Food and Drug Administration (FDA), a agência reguladora americana. Desde que chegou ao mercado, em 2011, com o nome comercial Yervoy, este medicamento já permitiu tratar milhares de doentes com cancro de pele em estado avançado ou metastático. Cerca de 20% dos doentes viram a doença regredir completamente, um avanço significativo em relação a outras terapêuticas, e 3 em cada 5 ainda estão vivos três anos depois de terem iniciado o tratamento.

Tasuku Honjo, professor da Universidade de Quioto, investigou uma outra proteína, a PD1, e mostrou que ela também funciona como um travão, mas com um mecanismo de acção diferente. O seu trabalho levou ao desenvolvimento do Nivolumab, também um anticorpo monoclonal, que, em monoterapia ou em associação com o ipilimumab, está indicado para o tratamento do cancro do pulmão, Carcinoma das células renais, Linfoma de Hodgkin, Carcinoma de Células Escamosas da Cabeça e Pescoço e melanoma.

O prémio tem um valor de nove milhões de coroas suecas (cerca de 870 mil euros), sendo, neste caso, repartido pelos dois investigadores.

Saúde Online

ler mais

RECENTES

ler mais