16 Abr, 2020

Oncologistas defendem que há que recuperar exames, consultas e tratamentos adiados

A presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia defende que é preciso começar a recuperar progressivamente o que foi adiado devido à pandemia, priorizando os casos mais urgentes.

Após uma primeira fase em que os serviços tiveram de se organizar para apoiar os doentes infetados com o novo coronavírus (SARS-CoV-2), “agora temos que passar a uma nova fase que é realmente recuperar aquilo que foi adiado”, disse Ana Raimundo.

Para a presidente da Sociedade Portuguesa de Oncologia (SPO), é preciso reiniciar “progressivamente, priorizando os casos que são mais urgentes, uma atividade assistencial mais programada e não urgente”.

Agora temos que continuar a trabalhar muito porque temos que recuperar todo o trabalho que esteve parado, porque estivemos a fazer outro tipo de trabalho”, frisou.

Na primeira fase do combate à pandemia, muitos doentes oncológicos quiseram adiar consultas e alguns pediram para interromper a quimioterapia, o que “é compreensível”. Passada esta primeira fase, “as pessoas vão começar a ver que provavelmente o pior já passou”.

“Temos que manter todos os cuidados que mantivemos até aqui, mas provavelmente podemos começar a fazer o seguimento e os tratamentos que estão indicados e os médicos têm que ser o veículo para transmitir a segurança aos doentes para que voltem a procurar os serviços de saúde de forma racional e ordenada”, salientou.

Sobre a possibilidade de se recuperar eventuais danos causados pela pandemia, Ana Raimundo afirmou: “Em alguns casos espero que sim e provavelmente noutros não, mas só o tempo o dirá”.

“Teremos que depois olhar para os dados e comparar com o período homólogo de outros anos e ver realmente o que é que aconteceu, mas acho que haverá consequências desta paragem”, afirmou.

Para a oncologista, o facto de os novos diagnósticos de cancro não terem sido feitos durante este período, assim como rastreios e outros exames “pode eventualmente condicionar mais tarde um diagnóstico mais tardio”.

Quando o cancro é diagnosticado em estádios mais avançados é mais difícil de tratar e tem menor possibilidade de cura, “mas só o tempo dirá”.

A oncologista citou um estudo que aponta um aumento da mortalidade no primeiro trimestre deste ano em Portugal e noutros países que não é justificada apenas pelos casos covid-19.

“Muito provavelmente existirá também um aumento da mortalidade por outras causas para outras doenças que não a covid-19, mas acho que de uma certa forma isto é uma consequência que seria de esperar porque os serviços tiveram de se reorganizar porque também não era seguro tratar esses doentes naquela primeira fase”, afirmou.

Segundo a oncologista, os serviços não estavam preparados para esta nova forma de trabalhar, para ter agendamentos mais espaçados e não ter aglomerados de utentes nas salas de espera, para poder assegurar condições de segurança a todos os doentes.

Por outro lado, os doentes tinham medo de procurar os serviços de saúde e só iam ao hospital quando já “não conseguiam aguentar mais os sintomas”.

Para Ana Raimundo, “é importante” passar a mensagem aos doentes de que, “com racionalidade e com um agendamento mais espaçado no sistema de saúde, não devem ter medo neste momento de ir ao hospital”, mas antes de o fazer devem ligar para a linha SNS 24, uma “boa medida” que deve ser interiorizada.

Se tiverem mesmo que ir ao hospital não devem ter medo porque os serviços foram reorganizados, os circuitos já estão bem estabelecidos e os profissionais estão bem alertados”.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais