15 Jan, 2020

Aposentações de médicos de família disparam

Ministra espera dar médicos a 200 mil portugueses mas reformas vão intensificar-se. Por outro lado, inscritos no SNS não param de aumentar.

Reformaram-se, no ano passado, 410 médicos de família, um número muito superior ao que se tinha registado em 2018 (com 277 aposentações). Os números foram avançados pela ministra da saúde, Marta Temido, numa altura em que o número de utentes inscritos no SNS não pára de aumentar, tendo já ultrapassado os 1,3 milhões.

Apesar do número possível de aposentações de médicos, a ministra acredita que haverá uma “taxa de retenção” de recém-especialistas em medicina geral e familiar que conseguirá este ano aumentar o número de portugueses com médico de família. Segundo Marta Temido, mais 200 mil portugueses devem ficar com clínico atribuído em 2020.

É um objetivo ambicioso, uma vez que, segundo os dados de novembro, ainda há mais de 650 mil portugueses sem médico e o número de médicos que vai terminar a formação especializada (470) este ano é pouco superior à quantidade de médicos que deve sair para a reforma (420).

A ministra Marta Temido explicou que no final de 2019 estavam inscritos 10,3 milhões de utentes nos cuidados de saúde primários, um número que tem crescido continuamente.

Em termos de cobertura, 93% dos inscritos têm médico de família, mas em termos de população residente estão cobertos 97,7% dos portugueses. Isto acontece, argumentou a ministra, porque há “uma população flutuante” entre os inscritos em centros de saúde, como casos de alunos de Erasmus ou cidadãos migrantes.

SO/LUSA

Noticias Relacionadas:

Associação associa possível fuga de médicos para Galiza a falta de aposta nas USF

A Associação Nacional de USF (USF-AN) associa uma possível fuga de médicos de família para a Galiza à  morosidade dos concursos e ausência da aposta nas USF de modelo B

Haverá desemprego entre os médicos de família a partir de 2024

Estimativa é avançada pelo coordenador da reforma dos cuidados de saúde primários, Henrique Botelho, que refere ainda que existem mais de 680 mil portugueses sem médico de família.

22% das vagas para jovens médicos de família ficaram por preencher

Região de Lisboa e Vale do Tejo ficou com 65 lugares desertos mas o concurso aberto em julho permitiu atribuir médico de família a mais 200 mil pessoas nesta região. Ministério da Saúde admite “dificuldades de fixação” de jovens médicos também no Alentejo.

Médicos de família contratados não chegam para compensar os que se reformam

Número de aposentações previstas para este ano é superior às entradas de médicos de família recém-formados e cenário vai agravar-se em 2019. Cobertura quase total da Região Norte pode vir a ficar comprometida.

ler mais

RECENTES

ler mais