Testagem começa “a perder eficácia”. Taxa de positividade já está nos 3%

Testagem "não está a ter capacidade de poder controlar o aumento da incidência", alerta o professor Carlos Antunes, da FCUL.