21 Mar, 2022

São João realiza polissonografias em casa e sem necessidade de internamento

Técnica realizado com apoio remoto permite resultados mais fiáveis e a diminuição da lista de espera, destaca a pneumologista do Hospital de São João.

Os doentes do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, referenciados para estudos sobre o sono, podem fazê-los sem necessidade de internamento, realizando-os em casa com o apoio remoto de um técnico, foi hoje descrito à Lusa.

Em causa está a implementação em regime de ambulatório da polissonografia, uma nova técnica para diagnóstico de patologias do sono que, de acordo com a pneumologista do CHUSJ Marta Drummond, permite resultados mais fiáveis e a diminuição da lista de espera nesta área, aliados a um maior conforto para doente.

“Dá um conforto acrescido ao doente que fica em casa e não tem de ir ao hospital e aumenta a possibilidade do estudo ter melhores resultados. O fator novidade, o doente a dormir num sítio diferente [e em ambiente hospitalar], o não ser no seu habitat natural, podia alterar-lhe o sono, o que se podia traduzir no sono do doente naquela noite não ser representativo”, descreveu Marta Drummond.

Fazer este estudo no domicílio evita que o doente passe a noite no hospital, local ao qual só tem de recorrer no dia em que vai realizar o procedimento para colocar os sensores no corpo.

Depois caberá a um técnico dar instruções ao paciente já em casa e monitorizar o processo através de tecnologia remota, quer via áudio quer via vídeo.

“O técnico vai, em tempo real, interagindo com o doente”, disse Marta Drummond, realçando que “durante a noite é possível captar o registo dos sensores, mas também imagem que ajuda em situações de sonambulismo, agressividade ou falar durante o sono”, explicou.

Os sensores colocados no doente são respiratórios, cardíacos, de saturação de oxigénio, bem como sensores de eletroencefalograma que permitem ver as fases do sono.

Com a passagem do estudo para o domicílio, às vantagens para o doente soma-se a possibilidade de realizar mais estudos, diminuindo a lista de espera.

A responsável do Centro de Responsabilidade Integrado (CRI) de Sono e Ventilação não Invasiva (VNI) do CHUSJ contou à Lusa que esse é um dos objetivos de um serviço que diminuiu “de forma drástica” o tempo médio de espera para primeira consulta de Patologia Respiratória do Sono, o qual está agora em 56 dias.

Em 2021 este CRI do São João fez 3.100 primeiras consultas de Patologia Respiratória do Sono e 8.400 consultas subsequentes, o que corresponde a um aumento em mais de 20% do número de consultas em comparação com 2020.

Na sexta-feira, Dia Mundial do Sono, em entrevista à agência Lusa, a especialista do São João aproveitou para deixar um alerta sobre a crescente exposição aos ecrãs e as implicações desta prática no sono.

“Neste momento, o fator mais disruptivo da qualidade do sono nas sociedades ocidentais e contemporâneas é a exposição à luminosidade de ecrãs. A exposição à lumínica ativa o córtex cerebral o que torna difícil adormecer. É fundamental que pelo menos uma hora antes não estejamos sujeitos a esta lumínica. Era importante que fosse até mais cedo”, disse a especialista.

Marta Drummond alertou que a qualidade de sono fica muito prejudicada, ou mesmo que o sono se torna menos profundo ou com mais acordares durante a noite.

“E de manhã as pessoas sentem-se menos restaurados”, alertou.

Esta situação, disse a especialista, “é muito notória nos adultos, mas está a ser muito preocupante nas crianças”.

“Há um alerta a fazer aos pais, mas também aos filhos que não valorizam o que os pais dizem: isto prejudica a rentabilidade escolar e a capacidade cognitiva”, concluiu.

LUSA

Notícia Relacionada

Apneia do sono “contribui decisivamente para a principal causa de morte em Portugal: a doença cardio e cerebrovascular”

ler mais

RECENTES

ler mais