A greve dos enfermeiros que se iniciou à meia-noite de hoje já obrigou ao adiamento de “400 cirurgias programadas” no Hospital de São João, no Porto, uma vez que “as 12 salas do bloco central estão encerradas”, afirmou fonte sindical.

Em declarações à Lusa, o presidente do Sindicato dos Enfermeiros, José Correia Azevedo, disse que, nos hospitais do Grande Porto, a adesão é, em média, “superior a 90%” e que os serviços mais afetados por esta paralisação são “os que estão afetos às cirurgias programadas e às consultas”. “O resto do serviço interno está a funcionar a meio gás, porque está sujeito só aos serviços mínimos, ou seja, são prestados os cuidados necessários para garantir a segurança e a vida das pessoas”, acrescentou.

De acordo José Azevedo, no Hospital de São João e no Hospital de Vila Nova de Gaia, a adesão à greve ronda os 96%, e no IPO é de cerca de 88%. No Hospital de Santo António, os dados até agora recolhidos “apontam para uma adesão de 95%, mas ainda estão a ser confirmados”, referiu.

A greve nacional de cinco dias visa protestar contra o impasse na negociação do acordo coletivo de trabalho, que começou há um ano.

José Correia Azevedo, que é também dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos de Enfermeiros (FENSE) – que integra o Sindicato Independente Profissionais de Enfermagem (SIPE) e o Sindicato dos Enfermeiros (SE) -, disse à Lusa que as razões do protesto se prendem com “o impasse na negociação” da proposta do acordo coletivo de trabalho apresentado pelos enfermeiros em agosto de 2017.

“Hoje é porque falta este, amanhã é porque falta aquele, depois falta o outro, e nós entendemos que o Governo efetivamente não quer negociar, porque se quisesse negociar, já tinha respeitado o compromisso que assumiu” de que o acordo estaria terminado no fim de setembro de 2017, razão pela qual os profissionais minimizaram a luta, disse o dirigente da federação, que representa cerca de 10 mil dos pouco mais de 40 mil enfermeiros.

Um ano depois, “estamos ‘na mesma como a lesma’, não saímos ainda do sítio. E, portanto, esta greve destina-se a chamar a atenção dos enfermeiros de que, se querem este acordo, que conhecem em proposta, têm de nos ajudar nesta luta”, disse José Correia Azevedo.

Os enfermeiros pretendem que seja criada uma carreira especial de enfermagem, que integre a categoria de enfermeiro especialista, e exigem o descongelamento da carreira, lembrando que o Estado deve aos Enfermeiros 13 anos, 7 meses e 25 dias nas progressões. Exigem também a revisão das tabelas remuneratórias. “Mesmo que não tenham dinheiro para a pagar atualmente, os sindicatos já propuseram o pagamento em três prestações anuais”, disse José Correia Azevedo.

LUSA

ler mais