11 Fev, 2022

Venda de medicamentos genéricos permitiu poupança de 479 ME em 2021

Em 2021, os medicamentos genéricos permitiram uma poupança de mais 16,6 milhões de euros face ao ano anterior.

Os medicamentos genéricos (MG) dispensados nas farmácias permitiram ao Estado e às famílias portuguesas uma poupança superior a 479 milhões de euros em 2021, mais 16,6 milhões face a 2020, indicam dados divulgados por associações do setor.

Os números do Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (CEFAR), divulgados em comunicado pela Associação Portuguesa de Medicamentos Genéricos e Biossimilares (APOGEN) e pela Associação Nacional das Farmácias (ANF), indicam também que este ano a poupança associada aos medicamentos genéricos já ultrapassa os 48 milhões de euros.

No total, entre 2011 e 2021, os MG já permitiram ao país poupar 4770 milhões de euros, referem os dados do CEFAR e do contador online no site da APOGEN, lançado em 2020 através de uma parceria entre a ANF e a APOGEN.

A presidente da APOGEN, Maria do Carmo Neves, salienta, citada no comunicado, que “2021 foi o ano que gerou mais poupança com a dispensa de medicamentos genéricos nos últimos 11 anos”. “Este é o tempo para, em colaboração com o Ministério da Saúde, rever o regime de fixação e atualização de preços dos medicamentos não protegidos por patente, para assegurar a viabilidade da comercialização de medicamentos essenciais”, acrescenta.

No mesmo âmbito, a presidente da ANF, Ema Paulino, afirma que “as farmácias compreenderam, desde a primeira hora, a importância dos MG para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e para a economia das pessoas”.

O contador do valor da poupança alcançada com os MG pode ser consultado, em tempo real, no site da APOGEN em: https://apogen.pt.

 LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais