22 Jun, 2022

Urgência de Pediatria no Algarve com falta de médicos “quase todos os dias”

Centro Hospitalar Universitário do Algarve tem dificuldade em preencher as escalas e admite que a gestão dos recursos é feita dia a dia.

À semelhança das urgências de Obstetrícia, que têm registado carências em vários hospitais do país, também as urgências pediátricas se debatem com falta de meios. O diretor clínico do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) admite que já está a ser feita uma gestão diária dos recursos na região.

Durante o dia, vamos ter falta de pediatras alguns dias da semana, de segunda a sexta-feira, diria, quase todos os dias”, afirmou Horácio Guerreiro, em declarações à Renascença. O CHUA tem sentido dificuldades em preencher as escalas da urgência pediátrica, por falta de profissionais. A questão prende-se com a idade dos pediatras que trabalham no CHUA. A maioria tem mais de 55 anos, idade a partir da qual os médicos estão dispensados de fazer urgência.

No mínimo”, são necessários “quatro pediatras em simultâneo”, além de um outro “para garantir o transporte inter-hospitalar de doentes pediátricos”, explicou o responsável. A falta de pediatras é uma realidade transversal a todo o país, o que obriga as unidades hospitalares a recorrerem, de forma persistente, aos médicos prestadores de serviços. No CHUA, mais de 10% da despesa com pessoal corresponde a estes médicos, designados tarefeiros.

No entanto, mesmo com o recurso a prestadores de serviços, muitas vezes o CHUA não consegue preencher as escalas. No Algarve, a época de verão aumenta a pressão sobre as urgências, o que preocupa o médico Horácio Guerreiro, que, no entanto, não admite o encerramento da urgência de Pediatria.

SO

ler mais

RECENTES

ler mais