10 Ago, 2022

Universidade de Coimbra recebe 750 mil euros para estudar diversas patologias

A doença neurodegenerativa rara de Machado-Joseph é uma das patologias em investigação do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra.

Cinco projetos de investigação do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (UC) foram contemplados com um financiamento europeu de 750 mil euros, foi hoje anunciado.

“O montante global vai contribuir para investigações relacionadas com a doença de fígado gordo não alcoólico, com a doença de Machado-Joseph e com a utilização de exossomas (pequenas vesículas) para fins terapêuticos”, informa a UC em comunicado.

Os apoios financeiros concedidos foram aprovados pela autoridade de gestão do Programa Operacional Centro 2020.

“O projeto relacionado com a doença de fígado gordo não alcoólico vai ser conduzido por Paulo Oliveira, investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNBC)”, adianta.

Denominada “MitoBOOST v2.0 – Prova de Conceito para o Uso de Polifenóis Dirigidos à Mitocôndria para Tratar a Doença do Fígado Gordo Não-Alcoólico”, a investigação visa realizar “uma prova de conceito relativa ao uso de uma nova molécula, AntiOXBEN2, ainda em fase de pré-clínica, para o tratamento desta doença, que tem vindo a crescer nas últimas décadas e que afeta cerca de um quarto da população mundial”.

Segundo a nota, o projeto é desenvolvido por um consórcio que reúne o CNBC, a empresa Mitotag e a Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, que desenvolveu a referida molécula.

Para o estudo de exossomas, Lino Ferreira, investigador do CNBC, vai coordenar o projeto “BIO-MED: Engenharia Biomolecular de Vesículas Extracelulares para Medicina Regenerativa”, centrado na utilização destas pequenas vesículas, “naturalmente existentes no organismo, como sistemas de libertação de fármacos para fins terapêuticos”.

Os restantes três projetos em comum o tratamento da Machado-Joseph, “doença neurodegenerativa rara com prevalência em Portugal, mas ainda sem cura”.

Luís Pereira de Almeida, professor da Faculdade de Farmácia da UC e presidente do CNBC, coordena o projeto “MJDedit – Sistemas de edição génica para o gene ATXN3: Uma terapia para a doença de Machado-Joseph”, destinado a descobrir uma terapia para a doença “através de ferramentas de edição genética”.

“Estratégias eficazes para esta doença são potencialmente aplicáveis a outras doenças do cérebro”, salienta a assessoria da Reitoria da Universidade de Coimbra.

Já o projeto “BDforMJD – Desenvolvimento de um biomarcador para a Doença de Machado-Joseph”, liderado pela investigadora do CNBC Magda Santana, visa “desenvolver um biomarcador para monitorização da progressão da doença Machado-Joseph e para avaliar a resposta a terapias em estudos intervencionais”.

O estudo “ModelPolyQ 2.0 – Modelos animais avançados para doenças de poliglutaminas”, coordenado por Rui Jorge Nobre, também investigador do CNBC, tem o propósito de desenvolver “modelos celulares e animais para doenças de poliglutaminas, como é o caso da doença de Machado-Joseph, recorrendo a um estojo de vetores virais” criado neste centro de investigação.

Cada um dos cinco projetos tem a duração aproximada de um ano.

LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais