11 Dez, 2019

SNS: Despesa com médicos tarefeiros e horas extra pode bater novo recorde este ano

Custos dispararam mais de 50% em vários hospitais e recorde de despesa atingido em 2018 pode voltar a ser batido este ano.

A despesa com horas extraordinárias e com médicos contratados à hora (os chamados prestadores de serviços) não pára de aumentar nas unidades do SNS e deverá ultrapassar os valores atingidos em 2018. Entre janeiro e setembro deste ano, os custos dispararam mais de 50% em vários hospitais, avança o jornal i.

Até setembro, os hospitais tiveram uma despesa de 299,9 milhões de euros com trabalho extraordinário, o que representa um aumento de 28,7% em relação aos primeiros nove meses de 2018. Já o recurso a médicos tarefeiros – que preenchem as escaldas hospitalares quando há existe carência de clínicos do quadro – continua a crescer (mais 6,6 milhões de euros, para os 81 milhões, até setembro).

Se a evolução já é expressiva, a verdade é que o crescimento pode ser muito superior, uma vez que a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), que divulgou a informação, não incluiu na análise uma série de hospitais de grande dimensão (entre os quais o de Santa Maria, o maior do país, o Garcia de Orta, o Hospital de Setúbal, o Amadora-Sintra e o Hospital de Braga). A ACSS justifica-se com constrangimentos na implementação de um novo referencial contabilístico.

Até Outubro, foram feitas cerca de 12 milhões de horas extra. A manter-se este ritmo, será ultrapassado este ano o recorde do último ano – 13 milhões de horas extra (sendo que a maior parte é feita por médicos). “Era expectável. O que não se compreende é por que motivo se insiste em continuar a gastar mais com trabalho extraordinário e prestações de serviço em vez de autorizar as contratações“, diz Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares.

TC/SO

ler mais

RECENTES

ler mais