15 Fev, 2021

Reinfeção grave com variante sul-africana preocupa médicos em França

Médicos dizem, ainda assim, tratar-se de uma situação "excecional, a primeira que foi descrita". Doente está em estado grave.

As autoridades de saúde de França, nomeadamente médicos, mostraram preocupação com a gravidade de uma reinfeção com a estirpe sul-africana do novo coronavírus, num doente em cuidados intensivos, diferenciando-se da maioria das reinfeções que tinham sido leves.

O doente “está em estado grave e ligado a um ventilador”, informou em comunicado a entidade que agrupa os hospitais de Paris (APHP).

O paciente, que tinha estado infetado com covid-19 em setembro, sofre também de asma, divulgou a agência EFE, sublinhando a sua sensibilidade a quaisquer problemas respiratórios adicionais. “O que nos preocupa é a gravidade desta segunda infeção com uma nova variante do vírus”, disse o chefe de emergências de outro hospital de Paris e especialista no caso, Frédéric Adnet, a um canal de televisão local.

Professor e médico de Medicina Intensiva do hospital Colombes, onde o paciente está internado há três semanas, Jean-Damien Ricard, recusou alarmismos considerando tratar-se de “uma situação excepcional, a primeira que foi descrita”.

O mesmo responsável sublinhou que existem várias hipóteses para explicar a gravidade do caso, desde uma possível deficiência imunológica do paciente, até uma geração insuficiente de anticorpos após a primeira infeção, ou ainda a possibilidade de a nova infeção ser de estirpe mais agressiva, como a sul-africana 501Y.V2, que tem consequências mais graves.

O epidemiologista Yves Buisson, presidente do Grupo Covid da Academia Nacional de Medicina, citado pela EFE, confirmou tratar-se de um caso que “deve ser estudado”.

Buisson clarificou que seria necessário saber se os anticorpos que o paciente desenvolveu durante a sua primeira infeção eram capazes de neutralizar a variante sul-africana, e se ela “escapa parcialmente a uma imunidade adquirida por uma infeção anterior”.

O caso foi publicado esta semana na revista científica norte-americana Clinical Infectious Diseases.

ler mais

RECENTES

ler mais