30 Set, 2016

PSD acusa Governo “social comunista” de “irresponsabilidade financeira” no SNS

"O SNS é uma realização demasiado importante para que a irresponsabilidade financeira de um Governo social comunista possa acabar por pôr em causa o regular funcionamento dos serviços públicos de saúde", aponta o PSD

O PSD anunciou ter entregue no Parlamento um projeto de resolução a recomendar a redução do montante das dívidas do Serviço Nacional de Saúde (SNS), acusando o Governo “social comunista” de irresponsabilidade financeira.

“O SNS é uma realização demasiado importante para que a irresponsabilidade financeira de um Governo social comunista possa acabar por pôr em causa o regular funcionamento dos serviços públicos de saúde e, com isso, o próprio acesso dos cidadãos aos cuidados de saúde”, afirmou a deputada do PSD Ângela Guerra, numa declaração política no plenário da Assembleia da República.

Estimando que a dívida total a fornecedores ultrapasse neste momento os 1.500 milhões de euros, a deputada social-democrata anunciou a entrega de um projeto de resolução no qual recomenda ao Governo que se reduza o montante das dívidas e insta o executivo socialista a prosseguir uma política de “rigor financeiro e de investimento na gestão dos recursos”.

Além deste diploma, revelou, o PSD entregou ainda outro projeto de resolução que recomenda ao Governo que reduza o recurso aos chamados “médicos tarefeiros”.

“Apesar das palavras ‘doces’ do ministro da Saúde, junto dos seus novos amigos da extrema-esquerda, só no primeiro semestre deste ano, o SNS gastou mais de 47 milhões e efuso com essas prestações de serviços”, disse.

Corroborando as críticas do PSD, a deputada do CDS-PP Isabel Galriça Neto disse querer um pacto para a saúde, mas recu