13 Dez, 2021

Prémios Santa Casa distinguem estudos terapêuticos para Alzheimer e lesões vertebro-medulares

Os Prémios Santa Casa Neurociências distinguem este ano investigações de terapias regenerativas para lesões vertebro-medulares com proteínas de células estaminais e tratamento da doença de Alzheimer com um composto que atua no cérebro.

Na foto, à esquerda a neurofarmacologista Maria José Diógenes e à direita o biólogo António Salgado

O trabalho coordenado pelo biólogo António Salgado, do Instituto de Investigação para as Ciências da Vida e da Saúde da Escola de Medicina da Universidade do Minho, foi reconhecido com o Prémio Melo e Castro, no valor de 200 mil euros e destinado a apoiar estudos que potenciem a recuperação e o tratamento de lesões vertebro-medulares.

O estudo liderado pela neurofarmacologista Maria José Diógenes, do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes da Universidade de Lisboa, foi galardoado com o Prémio Mantero Belard, também no montante de 200 mil euros e que financia a investigação científica ou clínica de doenças neurodegenerativas associadas ao envelhecimento, como Parkinson e Alzheimer.

Maria José Diógenes e António Salgado já tinham sido premiados com estas bolsas em edições anteriores.

Os Prémios Santa Casa Neurociências, considerados os mais importantes da área a nível nacional, são concedidos anualmente pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), que hoje anunciou os premiados de 2021.

Num estudo precedente, a equipa coliderada por António Salgado e pelo colega Nuno Silva descobriu que ratinhos com diferentes lesões vertebro-medulares (motoras ou não) melhoraram após a administração de secretoma (proteínas segregadas por uma célula para o espaço extracelular e que entram em contacto com células vizinhas).

No caso, o secretoma (que permite às células comunicarem entre si) foi o de células estaminais mesenquimatosas isoladas do tecido adiposo. As células estaminais mesenquimatosas, por definição, são células que se diferenciam noutras e existem em diferentes tecidos do corpo humano, sendo por isso consideradas relevantes no processo regenerativo.

Face aos resultados anteriores obtidos, a equipa de António Salgado e Nuno Silva juntou-se ao grupo de investigação liderado por Ana Colette Maurício, do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar da Universidade do Porto, para estudar com mais detalhe o “forte potencial” regenerativo do secretoma usando como modelos culturas de células estaminais, organoides (réplicas de tecidos humanos) e ratos.

A ideia, agora, é “aproximar este trabalho a uma potencial aplicação clínica”, disse à Lusa o investigador António Salgado, acrescentando que na fase final do estudo a utilização terapêutica do secretoma de células estaminais mesenquimatosas será testada em cães referenciados por veterinários com vários tipos de lesões vertebro-medulares.

Estas lesões, que ocorrem na medula espinal, “a autoestrada que permite a comunicação entre o cérebro e o resto do corpo”, em que impulsos nervosos controlam “um sem número de tarefas” diárias, podem causar, por exemplo, paraplegia, disfunção sexual e perda de controlo das funções urinária e respiratória.

“Ao contrário da maior parte dos tecidos do corpo humano, o tecido nervoso apresenta uma baixa capacidade de regeneração”, sublinhou António Salgado.

A neurofarmacologista Maria José Diógenes coordena o trabalho que pretende “confirmar o potencial terapêutico de um composto” criado por uma vasta equipa de investigação num estudo anterior.

“Este composto foi concebido para proteger os efeitos neuroprotetores de uma molécula muito importante para o cérebro, a BDNF”, afirmou à Lusa a investigadora, salientando que “esta molécula é crucial para os processos de memória e aprendizagem”.

Nos doentes de Alzheimer, “a função da BDNF está diminuída porque o local onde a molécula se liga para exercer o seu efeito está destruído”.

A equipa de investigação de Maria José Diógenes, do Instituto de Medicina Molecular João Lobo Antunes e da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, em colaboração com parceiros nacionais e internacionais, descobriu anteriormente “uma forma de prevenir a destruição do local de ligação, onde a BDNF atua”, testando com êxito em ratinhos (que mimetizavam a doença de Alzheimer) a administração de duas doses do novo composto.

Agora, no novo trabalho, será necessário “escolher as doses que produzem efeito terapêutico com a mínima toxicidade associada” depois de estudar o comportamento do composto no organismo dos roedores.

“A eficácia do novo composto será também testada em estruturas formadas por células humanas e que mimetizam o cérebro humano, os chamados organoides”, adiantou Maria José Diógenes.

O júri dos Prémios Santa Casa Neurociências 2021, que hoje serão entregues pela SCML, em Lisboa, foi presidido pela neurologista Catarina Resende de Oliveira, da Universidade de Coimbra.

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais