22 Jun, 2017

Parkinson: Proteína acumulada no cérebro dos doentes pode ativar resposta imunitária

Uma equipa de investigadores dos Estados Unidos concluiu que uma proteína que se acumula nas células do cérebro de doentes com Parkinson pode evitar as células do sistema imunitário envolvidas em doenças auto imunes

Os cientistas não conseguiram, contudo, perceber qual a relação desta possível resposta imunitária com a doença neurodegenerativa de Parkinson: se está na origem da patologia ou se contribui para a morte das células cerebrais (neurónios) e o agravamento dos sintomas da doença.

A investigação, citada em comunicado pela universidade norte-americana de Columbia, que nela participa, foi publicada na revista científica Nature.

De acordo com o estudo, dois fragmentos de alfa-sinucleína, uma proteína que se acumula nos neurónios de doentes de Parkinson, “podem ativar as células T [linfócitos] envolvidas em ataques autoimunes”. Neste caso, estas células atacam o organismo em vez de protegê-lo de agentes agressores.

Um dos coordenadores do trabalho, Alessandro Sette, professor no Instituto de Alergia e Imunologia de La Jolla, nos Estados Unidos, ressalva, no entanto, que “resta saber se a resposta imunitária à alfa-sinucleína é a causa inicial da doença de Parkinson ou se contribui para a morte neuronal e o agravamento dos sintomas após o aparecimento da doença”.

Para os cientistas, a identificação desta resposta imunitária “aumenta a possibilidade de a morte dos neurónios” em doentes de Parkinson “poder ser evitada por tratamentos que refreiem essa resposta imunitária”.

A equipa de investigadores expôs amostras de sangue de 67 doentes de Parkinson e de 36 pessoas com a mesma idade dos doentes, mas saudáveis, a fragmentos de alfa-sinucleína e de outras proteínas detetáveis nos neurónios. Posteriormente, analisou as amostras para determinar que proteína desencadeava a ativação das células T e observou pouca atividade das células imunitárias no grupo de pessoas saudáveis, ao contrário da verificada nos doentes de Parkinson. Em particular, a resposta imunitária nos doentes de Parkinson pode estar associada a uma variante de um gene.

O estudo levanta a hipótese de a autoimunidade surgir na doença de Parkinson – caracterizada por tremores e descoordenação de movimentos – quando os neurónios já não são capazes de se livrar da acumulação da proteína alfa-sinucleína.

LUSA/SO/SF

 

Gedeon Richter

 

ler mais

RECENTES

ler mais