1 Jul, 2021

Marcelo desvaloriza aumento de internados e recusa “discurso alarmista”

Presidente da República sublinha que número de pessoas nos cuidados intensivos está "muito longe dos valores que determinaram períodos difíceis".

O Presidente da República defendeu que, apesar da subida de novos casos de infeção com o novo coronavírus, não se justifica um “discurso alarmista fundamentalista”, tendo em conta os números de mortes e cuidados intensivos.

Em declarações aos jornalistas, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa quis deixar “uma nota sobre os números de hoje” de evolução da covid-19 em Portugal, para “mais uma vez” pedir que haja “cabeça fria”.

O chefe de Estado referiu que “o número de infetados subiu para cima de dois mil e, portanto, isso pode levar as pessoas a de repente entrarem num discurso alarmista e, por isso mesmo, um alarmismo digamos fundamentalista”.

“Chamo a atenção para o facto de que, apesar de tudo, o número de mortos desceu de ontem [terça-feira] para hoje, continua muito baixo. O número de cuidados intensivos subiu e está em valores de 120, muito longe dos valores que determinaram períodos difíceis e mais críticos entre nós”, acrescentou.

O Presidente da República realçou ainda que o número de pessoas internadas com covid-19 “está ligeiramente acima de 500, mas que significa também um número muito longe de números já vividos em Portugal”.

“Isto é, não é que não haja o dever de todos, nomeadamente os mais jovens, de estarem atentos nos seus comportamentos àquilo que é o seu relacionamento em sociedade. Outra coisa é entrar-se no discurso alarmista fundamentalista que se não justifica”, considerou.

Nas últimas 24 horas registaram-se em Portugal 2.362 novos casos de infeção com o novo coronavírus e morreram quatro pessoas doentes com covid-19, estão agora internadas 504 pessoas com covid-19 e 120 em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais