11 Jan, 2022

Mais de 2 mil enfermeiros pediram para sair de Portugal desde o início da pandemia

A bastonária Ana Rita Cavaco diz ser “ urgente dar condições dignas aos enfermeiros e não contratos de quatro meses, dar-lhes uma carreira e não um bilhete de avião”.

Mais de 2.000 enfermeiros pediram para sair de Portugal desde o início da pandemia, em março de 2020, especialmente no segundo semestre do ano passado, segundo dados divulgados  pela Ordem dos Enfermeiros (OE).

“Só no último ano [2021], o número total de enfermeiros que manifestaram intenção de emigrar corresponde a cerca de um terço dos novos profissionais formados anualmente pelas escolas portuguesas”, refere a OE em comunicado.

A OE recebeu 2.413 pedidos de declarações para efeitos de emigração.

De acordo com os dados, 1.230 pedidos foram realizados em 2020 e 913 em 2021, especialmente no segundo semestre do último ano, “altura em que milhares de enfermeiros saem das escolas para o mercado”, refere a OE.

“Assim, enquanto até junho [de 2021] tinha havido 277 pedidos de emissão de declarações, entre junho e dezembro esse número ascendeu a 636”, precisa a OE.

“Os países europeus, que nos últimos dois anos realizaram campanhas de recrutamento muito agressivas, para as quais a OE alertou, continuam a ser os escolhidos pelos enfermeiros portugueses, com destaque para a Suíça, mas os Emirados Árabes Unidos recebem também, de ano para ano, cada vez mais profissionais portugueses”, adianta a ordem.

A seguir à Suíça, a Espanha e o Reino Unido, apesar do Brexit, foram os principais destinos escolhidos pelos enfermeiros portugueses em 2021.

“Estes números demonstram a continuação da tendência da emigração, apesar da carência crónica de enfermeiros em Portugal. Recorde-se que, nos últimos dois anos, chegámos ao ponto de querer contratar , nos momentos mais críticos da pandemia, e não haver profissionais no mercado, apesar de todos os anos saírem 3000 novos enfermeiros das escolas”, explica.

Nesse sentido, “é urgente dar condições dignas e não contratos de quatro meses, dar-lhes uma carreira e não um bilhete de avião”, diz a Bastonária, Ana Rita Cavaco, sublinhando que em mês de eleições é fundamental saber o que cada partido tem no seu programa para a saúde, e para os enfermeiros em particular, e é uma emergência encontrar mecanismos de fixação em Portugal, como já foi recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

LUSA

Notícia Relacionada

Mais de três mil enfermeiros pediram escusa de responsabilidade este ano

ler mais

RECENTES

ler mais