10 Dez, 2020

Lançado teste de diagnóstico que deteta o coronavírus na saliva

Diversos estudos têm demonstrado a alta sensibilidade da amostra de saliva e a sua eficiência nos processos de triagem e rastreio epidemiológico.

A bioMérieux, empresa líder em soluções de diagnóstico in vitro, anunciou a expansão da sua gama ARGENE® para a deteção de SARS-CoV-2. Apresentando-se como uma evolução face ao procedimento com zaragatoas nasofaríngeas, é agora possível recolher amostras de saliva para a deteção do vírus que causa a COVID-19 através do teste RT-PCR atualmente disponível – SARS-CoV-2 R-GENE®. Este procedimento inovador ajuda a facilitar os fluxos de recolha de amostras, a fim de processar mais testes.

A realização de uma zaragatoa nasal requere um número de profissionais habilitados, já que o uso incorreto da mesma pode resultar em falsos negativos podendo assim continuar a contribuir para a cadeia de transmissão, ainda que de forma involuntária.

O teste RT-PCR singleplex SARS-CoV-2 R-GENE® permite que seja o doente a colocar a sua saliva no tubo de recolha de amostra sem que para este procedimento sejam necessários profissionais de saúde especializados. As amostras podem ser recolhidas de forma rápida através de um circuito logístico previamente implementado e o teste pode ser utilizado em lares, em ambulatório ou em unidades de saúde.

 

Estudos demonstram alta sensibilidade da amostra de saliva

 

Fiel ao compromisso de combater a pandemia da COVID-19, a bioMérieux procura dar resposta às necessidades dos laboratórios. O alargamento do uso do teste molecular ARGENE® para a inclusão de amostras de saliva tornará o teste mais tolerável para muitos suspeitos / doentes e mais fácil de realizar”, refere François Lacoste, vice-presidente executivo de R&D da bioMérieux.

Diversos estudos têm demonstrado a alta sensibilidade da amostra de saliva e a sua eficiência nos processos de triagem e rastreio epidemiológico. A Autoridade Francesa para a Saúde (HAS, na sigla original) emitiu uma recomendação, a 18 de setembro de 2020, que encoraja a utilização preferencial de zaragatoas de saliva para testar pessoas sintomáticas nas quais é difícil ou impossível utilizar zaragatoas nasofaríngeas.

“Esta solução bioMérieux de RT-PCR em saliva, para além de assegurar resultados fiáveis, como demonstram os estudos de performance, permitirá a implementação de novos modelos/procedimentos na colheita das amostras, permitindo uma maior comodidade para os cidadãos em que seja necessário executar o teste, bem como uma maior capacidade de colheita em diferentes locais dada a sua maior simplicidade. Esta simplificação do processo pré-analítico em muito contribuirá para uma melhor identificação das cadeias de contágios e assim melhor controlar a propagação do vírus”, acrescenta Rui Nunes, Diretor de Marketing da bioMérieux Ibéria.

COMUNICADO

ler mais

RECENTES

ler mais