13 Jul, 2021

Hospital de Cascais contrata médicos tarefeiros de MGF para urgência de Obstetrícia

Denúncia é feita pelo Sindicato dos Médicos da Zona Sul, que diz tratar-se de uma "decisão ilegal".

O Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS) alerta, em comunicado, que o Hospital de Cascais procedeu ao recrutamento, através de uma empresa de trabalho temporário, de médicos de Medicina Geral e Familiar para a urgência de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital de Cascais.

“O serviço de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital de Cascais, em regime de parceria público-privada (PPP), tem sido depauperado de pessoal médico ao longo de vários anos”, lembra o SMZS.

“De forma a colmatar as sucessivas falhas de pessoal nas equipas de urgência, a administração hospitalar, em acordo com a direção de serviço, opta por subverter as escalas, colocando médicos especialistas em Medicina Geral e Familiar a desempenhar funções que devem caber a médicos especialistas em Ginecologia e Obstetrícia“.

O SMZS alega trata-se de uma decisão ilegal, por violar a Portaria n.º 8/2014 e a norma do Colégio da Especialidade de Ginecologia/Obstetrícia da Ordem dos Médicos, no que respeita aos recursos mínimos de especialistas “para manter aberta uma urgência de apoio perinatal com mais de 2.200 partos/ano: quatro especialistas em presença física (o terceiro especialista poderá ser substituído por um interno da especialidade do 5.º ao 6.º ano e o quarto especialista por um interno do 2.º ao 6.º ano)”.

A título de exemplo, nas últimas semanas, o Serviço de Urgência tem sido assegurado apenas por três elementos, muitas vezes apenas por um especialista e dois internos.

A qualidade da prestação de cuidados à saúde da mulher e da grávida está em risco num hospital que se recusa a assumir as falhas de pessoal e vai tentando colmatar através de profissionais que não são da especialidade.

O SMZS alerta que é urgente tomar medidas que motivem a fixação dos médicos, reforçando o Serviço Nacional de Saúde e dando condições dignas de trabalho para quem nele exerce.

COMUNICADO

ler mais

RECENTES

ler mais