18 Mar, 2022

Grande maioria dos doentes com dor crónica apresentam perturbações do sono

Perante os dados, é "fundamental que a abordagem à dor crónica tenha também em conta aspetos relacionados com o padrão de sono", realça o neurologista do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra.

O sono é uma componente essencial para a saúde. Em pessoas que apresentam dor crónica, por exemplo lombalgia, são comuns as queixas de perturbações do sono como insónias, sono superficial e despertares frequentes durante a noite. Estes distúrbios do sono prejudicam o funcionamento cognitivo e físico, bem como a qualidade de vida, e estão associados a uma maior utilização dos recursos em saúde.

Filipe Palavra, médico neurologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e Vice-Presidente da Sociedade Portuguesa de Neurologia, afirma que “entre 55% a 88% dos doentes com dor crónica apresentam perturbações do sono e mais de 40% dos doentes com perturbações do sono reportam dor crónica.” Neste contexto, recorda que “é fundamental que a abordagem à dor crónica tenha também em conta aspetos relacionados com o padrão de sono para que o tratamento e acompanhamento do doente seja o mais adequado e efetivo possível”.

Na prática clínica, as perturbações do sono devido à dor podem ser indicativas da gravidade e do impacto a nível funcional desta patologia, existindo também evidência significativa de que esta seja uma relação bidirecional e recíproca. Os distúrbios do sono aumentam a sensibilização central em doentes com dor e podem também ser um fator preditivo da própria dor.

O sono é caracterizado por um estado de consciência alterado com ciclos específicos de atividade de ondas cerebrais. Durante o sono ocorre uma libertação coordenada de substâncias neurotransmissoras e de hormonas, que regulam o crescimento, o desenvolvimento, a imunidade e as funções metabólicas. As perturbações do sono, como a privação do mesmo, estão associadas a muitas comorbilidades, a custos sociais e a custos de saúde (diretos e indiretos), e devem ser avaliadas como um sintoma clinicamente importante no contexto da dor crónica.

COMUNICADO

ler mais

RECENTES

ler mais