Enfermeiros em greve pela passagem para as 35 horas semanais e falta de contratações

Iniciou hoje uma greve marcada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), a decorrer entre as 8h e as 24h, para pedir a contratação de mais enfermeiros de forma a compensar a passagem para as 35 horas semanais a partir de 1 de julho.

A presidente do SEP, Guadalupe Simões, disse à agência Lusa que se não forem contratados mais enfermeiros, “pode ser posto em causa o regular funcionamento dos serviços”, em que os enfermeiros já trabalham “sistematicamente mais 40 e 60 horas do que é o seu horário” para compensar a “carência estrutural de profissionais”.

O SEP espera que a greve “seja mais uma vez uma demonstração clara que tem que haver uma inversão por parte do Ministério da Saúde e do Governo” porque “não há quem aguente isto por muito mais tempo”.

A partir de 01 de julho, os enfermeiros com contrato individual de trabalho vão voltar às 35 horas semanais de trabalho em vez das 40 atuais, o que, segundo as contas do SEP implica que serão precisos “1.976 enfermeiros” para compensar a redução de horas destes profissionais para manter tudo a funcionar. No entanto, a dias dessa mudança, continuam por confirmar as contratações pedidas pelas instituições, que deviam já estar asseguradas “para que a transição pudesse acontecer com o menor ruído possível”.

Mesmo que se confirmem até ao fim da semana, “os profissionais vão começar a trabalhar sem períodos de integração” e “é uma incógnita o que se vai passar na próxima semana”, alertou. Com menos horas, vão faltar pessoas para assegurar todo o serviço.

Além desta questão, há uma falta de enfermeiros mais profunda, que tem a ver com “o desinvestimento e os cortes na área da saúde”, com efeitos negativos nos salários e carreiras que levaram “muitos enfermeiros a sair do país”. Para os que ficaram, isso significou “mais pressão”, com mais horas de trabalho e um aumento do absentismo.

LUSA/SO

ler mais

RECENTES

ler mais