2 Dez, 2022

Desconhecimento sobre polipose nasal atrasa diagnóstico em até quatro anos

Esta doença, que não tem cura, costuma ser confundida com asma ou alergias, o que dificulta o diagnóstico atempado.

O desconhecimento sobre a polipose nasal, doença respiratória que pode causar sintomas como perda do olfato ou do paladar, leva os pacientes a demorarem até quatro anos para obter o diagnóstico, adiantou esta quarta-feira um especialista.

“Apesar de ser uma doença que pode afetar muitas pessoas, ainda há um grande desconhecimento sobre ela”, explicou o otorrinolaringologista Alejandro Jiménez, durante uma conferência.

O especialista sublinhou que se estima que entre 2% a 4% da população mundial sofra de polipose nasal, doença que, segundo explicou, é inflamatória e afeta a mucosa do nariz e os seios paranasais.

Esta condição não é considerada uma patologia maligna, nem qualquer tipo de cancro. No entanto, nos casos mais avançados, pode afetar significativamente a qualidade de vida da pessoa que a sofre, especialmente se for uma pessoa idosa que também tenha problemas respiratórios, como os que podem ser causados pela asma ou alergia forte.

Segundo o otorrinolaringologista Carlos Vázquez-Vela, entre os sintomas, estão a perda de olfato, congestão, muco e pressão ou dor facial.

O grande problema, apontaram estes dois especialistas, é que esta doença, que não tem cura, costuma ser confundida com asma ou alergias.

Os pólipos, que se formam na mucosa, são o resultado do seu espessamento anormal, que acaba por dar origem a pequenas protuberâncias translúcidas que podem provocar uma obstrução nasal mais ou menos incómoda e intensa.

Se os pólipos não forem tratados e aumentarem de tamanho significativamente, podem não só levar a uma obstrução nasal grave, mas também afetar consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes.

“O sono afeta-os especialmente, eles não dormem bem, ressonam e por isso são menos produtivos”, explicou Vázquez-Vela.

Atualmente, os tratamentos para esta condição são diversos, entre os quais destacam-se os esteroides intranasais, a cirurgia, as terapias biológicas e os esteroides ou cortisona oral.

Por fim, estes especialistas reiteraram a importância de recorrer ao otorrinolaringologista para sintomas como falta de olfato e paladar, obstrução e congestão nasal, secreção nasal persistente e dor/pressão facial, que afetam significativamente a qualidade de vida dos pacientes.

LUSA

Notícia Relacionada

Polipose nasal: a doença que faz perder o olfato e o paladar

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais