Criação de movimento de enfermeiros de saúde materna marca “fim de muitos anos de silêncio”

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros defende a criação de mais associações como o Movimento Nacional de Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna (MNEESM) para o bem dos utilizadores do Serviço Nacional da Saúde.

À margem da apresentação oficial do MNEESMO, no Porto, Ana Rita Cavaco afirmou que tudo o que a nova associação decidir, mesmo que seja retomar o protesto contra o não pagamento diferenciado aos enfermeiros especialistas, terá o apoio da Ordem, que “estará evidentemente ao lado” dos associados, como “esteve no ano passado”. A associação nasceu a partir do movimento de enfermeiros especialistas que durante o verão de 2017 paralisou blocos de parto por todo o país, reivindicando o pagamento do seu trabalho de especialistas, pelo qual os profissionais não eram remunerados.

O Governo comprometeu-se entretanto com o pagamento de um subsídio de 150 euros, com retroativos a 1 de janeiro, a todos os enfermeiros especialistas. O ministro da Saúde disse esta semana no parlamento que o diploma que institui este subsídio deveria sair em breve.

“Os enfermeiros são a maior classe profissional no serviço Nacional de Saúde (…). É preciso nós olharmos para o nosso Serviço Nacional de Saúde sem hipocrisia” e os enfermeiros são “o maior pilar do Serviço Nacional de Saúde”, acrescentou Ana Rita Cavaco.