3 Abr, 2020

Covid-19: Serviços de saúde vão ter o dobro de ventiladores

Secretário de Estado da Saúde anunciou a duplicação dos equipamentos de ventilação e garantiu uma distribuição equilibrada dos testes de despistagem.

 “Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar a nossa capacidade de ventilação: Foram oferecidos 400 ventiladores invasivos, muitos dos quais já chegaram aos hospitais e outros com previsões de entrega muito em breve”, afirmou António Lacerda Sales durante a conferência de imprensa da Direção-Geral de Saúde (DGS) sobre a evolução da pandemia em Portugal.

“Estamos a reforçar a nossa capacidade de ventilação”, garantiu, lembrando que as situações mais graves da covid-19 obrigam a cuidados intensivos e que muitos dos doentes internados nos hospitais “precisam de ventiladores na sua luta pela vida”.

Neste momento há 240 pessoas em cuidados intensivos, segundo os dados divulgados hoje pela DGS, que apontam para mais de nove mil pessoas infetadas com a cov-19, das quais 1.042 estão internadas em hospitais.

António Lacerda Sales lembrou ainda os ventiladores não invasivos cedidos a título de empréstimo e os 900 ventiladores adquiridos pela Administração Central do Sistema de Saúde: Alguns destes últimos já estão em Portugal e outros “144 chegarão este fim-de-semana ao país”, acrescentou.

A informação foi corroborada por João Gouveia, presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos e também coordenador da equipa da DGS na área dos cuidados intensivos para planeamento e operacionalização destes recursos.

O responsável pela equipa da DGS explicou que o material que vai chegar durante a semana será distribuído pelos diferentes hospitais de acordo com critérios específicos, tendo em conta as necessidades, a urgência e critérios de segurança “para que os doentes sejam tratados da melhor maneira possível”.

Além da aquisição de novos materiais, João Gouveia sublinhou durante a conferência de imprensa, que decorreu em Lisboa, que tem sido feito um trabalho de recuperação de material que estava a necessitar de alguns arranjos.

 Houve “um crescer significativo da capacidade instalada” da medicina intensiva, com mais profissionais a trabalhar com medicina intensiva. “Mas é obvio que também é necessário material”, lembrou João Gouveia.

Também haverá um aumento de testes que, segundo o secretário de Estado da Saúde, serão distribuídos de forma a garantir um “equilíbrio entre locais com carência e locais com maior disponibilidade”.

“Hoje mesmo serão distribuídas seis mil zaragatoas e estão ainda encomendadas outras 400 mil”, anunciou o governante, explicando que 80 mil chegam na sexta-feira e as restantes irão ser entregues “nas próximas semanas”, numa tentativa de responder aos “constrangimentos de elevada procura”.

Também na próxima semana deverão chegar “mais 200 mil testes a Portugal”: “Todos os dias os serviços partilhados da saúde estão a trabalhar para que sejam repostos os kits de testagem e material de proteção individual”, sublinhou.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais