4 Set, 2020

Centros de saúde. Ministério continua a permitir retoma a várias velocidades

Alguns centros de saúde já retomaram a atividade em pleno, outros não. Ministério não avança com data para todos voltarem à normalidade. Utentes e médicos criticam processos.

A retoma da atividade assistencial nos centros de saúde ainda decorre a várias velocidades. Cada unidade de saúde tem autonomia para decidir manter as consultas já programadas, adiá-las, fazê-las telefonicamente (nos casos em que o médico assim o decida) ou recusar agendamentos.

Questionado pelo SaúdeOnline sobre as dificuldades que muitos doentes sentem no acesso aos cuidados de saúde primários, o Ministério da Saúde, através do gabinete de Marta Temido, esclarece que “a retoma da atividade assistencial tem que ter sempre em consideração o risco epidemiológico e evolução da pandemia e adequação da capacidade de resposta”.

Desta forma, dentro do mesmo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), poderá haver grandes assimetrias na atividade assistencial das diferentes unidades. Até “no mesmo centro de saúde há realidades diferentes”, dependendo do tipo de consultas, adianta Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar.

 

Faltam equipamentos e recursos humanos

 

As dificuldades diferem de unidade para unidade. Alguns centros de saúde deparam-se com falta de equipamentos e de espaço para se adaptarem às exigências trazidas pela pandemia. Outros, principalmente, os que se situam