4 Mai, 2021

Campanha motivacional para doentes com insuficiência cardíaca

A campanha vai decorrer nas redes sociais e desafia as pessoas a vestirem uma camisola vermelha e partilharem a imagem no Facebook da AADIC.

Maio é o mês do coração, para assinalar a data a Associação de Apoio aos Doentes com Insuficiência Cardíaca (AADIC) está a promover uma campanha com o mote “de coração cheio e sem reservas”. A iniciativa é dirigida aos doentes com insuficiência cardíaca, com o intuito de lhes mostrar que é possível viver com qualidade de vida.

A cardiologista e membro técnico científico da AADIC, Maria José Rebocho salienta que “a pandemia veio intensificar esta pandemia porque, infelizmente, os diagnósticos ficaram suspensos e os próprios doentes assumem que tiveram medo de se dirigir ao hospital para receber os respetivos cuidados de saúde”.

“O objetivo da nossa associação é apoiar os doentes e por isso, nesta fase, que marca o mês do coração, decidimos promover uma campanha dirigida a eles com um foco motivacional, mostrando que é possível viver com qualidade de vida, desde que o doente: cumpra as recomendações médicas; tome a medicação corretamente; tenha cuidados com a alimentação; pratique atividade física; não fume nem beba bebidas alcoólicas e tenha apoio adequado para autogerir a sua doença no dia-a-dia”, explicou.

A campanha “de Coração Cheio & Sem Reservas” lança um movimento solidário ao desafiar a sociedade civil, os sócios e profissionais de saúde, a vestirem uma camisola vermelha pela insuficiência cardíaca, durante o mês de maio, e a partilhar uma fotografia a registar o momento na página de Facebook da AADIC. No final do mês, a associação vai criar um cartaz com os rostos daqueles que se associaram à campanha.

“A insuficiência cardíaca é uma doença frequente, em especial nos estratos etários mais elevados, muitas vezes diagnosticada tardiamente, com internamentos hospitalares recorrentes e mortalidade elevada. No mês de maio, em que se celebra o Mês do Coração, a AADIC através desta sua iniciativa pretende, em geral, chamar a atenção da opinião pública para esta doença, ainda insuficientemente compreendida pela população, ao mesmo tempo que se dirige, em particular, aos doentes com IC sublinhando que é possível viver com qualidade de vida desde que se observem os cuidados necessários”, concluiu o presidente da AADIC, Luís Filipe Pereira.

Em Portugal cerca de 400 mil pessoas sofrem de insuficiência cardíaca, sendo possível que grande parte destes ainda estejam subdiagnosticados e subtratados. Estima-se também que a sua prevalência possa vir aumentar entre 50 a 70% até 2030. Atualmente, a insuficiência cardíaca representa a primeira causa de internamento hospitalar após os 65 anos.

SO

 

 

ler mais

RECENTES

ler mais