5 Ago, 2019

Brexit: Boris Johnson “determinado a cumprir” promessas sobre saúde

O PM britânico diz-se "determinado a cumprir" as promessas feitas na campanha do ‘Brexit’ e prometeu mais 1,8 mil milhões de libras para o NHS

O primeiro-ministro britânico disse hoje estar “determinado a cumprir” as promessas feitas na campanha do referendo sobre o ‘Brexit’ e prometeu mais 1,8 mil milhões de libras (dois mil milhões de euros) para o serviço nacional de saúde.

Num artigo publicado no The Sunday Times, Boris Johnson referiu que a verba será usada para comprar equipamentos médicos e fazer melhorias em vinte hospitais do serviço nacional de saúde, conhecido por NHS, em todo o Reino Unido.

O chefe do Governo britânico tem recebido duras críticas pelas promessas feitas durante a campanha a favor do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia) no referendo de 2016, ao ter prometido investir 350 milhões de libras (396 milhões de euros) por semana no serviço de saúde, verba que assegurava destinar-se ao bloco comum.

Boris Johnson foi levado à justiça sob acusação de mentir, embora um tribunal de Londres tenha finalmente desistido de processá-lo.

“É por isso que estou tão determinado a cumprir as promessas da campanha do referendo de 2016, não apenas para honrar a vontade do povo, mas para aumentar o dinheiro disponível para esta incrível instituição nacional”, disse Johnson, acrescentando que o valor prometido será pago este ano.

O Partido Trabalhista criticou a medida argumentando que “corta significativamente” o montante necessário para reverter os cortes feitos pelos conservadores.

A organização sem fins lucrativos Nuffield Trust, que garante o apoio do NHS, considerou que o montante prometido “será apenas uma fração” do que é necessário para atualizar os vinte hospitais, que Johnson prometeu melhorar.

O chefe do executivo reiterou os seus esforços para deixar a União Europeia em 31 de outubro, mesmo sem um acordo negociado com o bloco, tendo o Governo redobrado os preparativos para esse cenário, o que poderia levar o país para uma recessão, segundo o Banco da Inglaterra.

O ministro britânico do ‘Brexit’, Stephen Barclay, pediu hoje aos líderes da União Europeia que entreguem ao seu principal negociador, Michael Barnier, o mandato para reabrir as negociações em busca de um novo tratado, caso contrário, a opção de um não acordo “está ao virar da esquina”, advertiu.

SO/Lusa

ler mais

RECENTES

ler mais