Asma. “Ainda verificamos, aos dias de hoje, algum subdiagnóstico”

Em entrevista ao SaúdeOnline, o presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) destaca o subdiagnóstico, o subtratamento e o subcontrolo dos doentes com asma como um dos principais desafios da prática clínica da Imunoalergologia.

Quais são, atualmente, os grandes desafios à prática clínica da Imunalergologia a nível nacional?

Os principais desafios da prática da Imunoalergologia prendem-se com a nossa capacidade de utilizar, sem grandes problemas, as terapêuticas mais inovadoras. A utilização destas terapêuticas inovadoras, por enquanto, não é possível aos imunoalergologistas que estão nos hospitais privados, o que, desde logo, não se compreende muito facilmente, porque se houver um doente com asma grave, por exemplo, que necessite de fazer um biológico, deveria poder fazê-lo no local onde é seguido, sem necessidade de transferência para o SNS. Portanto, a acessibilidade mais universal a medicamentos inovadores que fazem a diferença é, à cabeça, um dos grandes desafios da nossa prática clínica.

Outra situação que impacta a nossa prática clínica e que já vem de trás – apesar das nossas diligências [da SPAIC] junto do Infarmed – é a continuidade da não comparticipação da imunoterapia específica, vulgarmente conhecida como “vacina antialérgica”, algo que continua a ser incompreensível, na medida em que tem ampla demonstração de vantagens farmacoeconómica, de saúde, quer na prevenção, quer no tratamento. Como tal, é incompreensível que se limite o acesso a estas terapêuticas apenas a quem tem dinheiro para as pagar. Não haver comparticipação nenhuma é uma situação que exclui das vacinas grande parte dos nossos utentes do SNS.

Além dos aspetos que se prendem com a acessibilidade a medicamentos, há que salientar, como desafio à prática clínica dos imunoalergologistas, o ainda grande desconhecimento e o nível de subdiagnóstico que ainda existe acerca de algumas patologias alérgicas, nomeadamente da asma. Ainda verificamos, aos dias de hoje, e a propósito do Dia Mundial da Asma, algum subdiagnóstico. Os doentes ainda não estão identificados na totalidade e, portanto, há um número elevado que permanece subtratado e insuficientemente controlado. Este é um aspeto que temos vindo a melhorar ao longo dos últimos anos, mas que ainda se mantém como um desafio.

Falando de patologia alérgica, quais as que mais preocupam a nível nacional e porquê? A asma é uma delas?

A asma é uma delas, mas temos várias situações que têm vindo a registar um acréscimo significativo ao longo dos últimos anos, como é o caso da alergia a medicamentos e/ou a alimentos, às vezes com quadros graves anafiláticos, que são os casos mais preocupantes.

Toda a patologia alérgica se carateriza por induzir alterações muito relevantes na qualidade de vida dos doentes. Felizmente que, ao longo do tempo, têm surgido novas opções terapêuticas. A urticária crónica e o eczema atópico grave, por exemplo, são situações em que temos vindo a ter mais respostas terapêuticas para os doentes. Nos casos mais graves, há indicação para terapêuticas inovadoras, na medida em que a sintomatologia é muito incomodativa para o doente e, por isso mesmo, muito importantes para o médico.

Não sendo tão valorizada pelo doente, a rinite também é preocupante em termos de prevalência e de subdiagnóstico?

A rinite tem importância por vários motivos: pelo impacto na qualidade de vida que uma rinite inadequadamente tratada pode provocar, mas também pelas patologias a que a rinite não controlada se pode associar, como a asma e a sinusite.

Tem havido novidades terapêuticas na asma, capazes de revolucionar o tratamento desta patologia? Há novos tratamentos na calha?

Na asma, surgiu nos anos 2000 o primeiro biológico (anti-IgE) de há cinco anos a esta parte surgiram outros biológicos (os anti-interlucina-5). Atualmente também já se viu a aprovação para a asma grave de um outro biológico (anti-interlucina-4).

Na calha estão outros fármacos, também biológicos (antagonistas da via TH2). Outra grande novidade nos doentes que têm uma asma que é não-T2 – nem é alérgica, nem é eosinofílica –, para os quais não tínhamos qualquer resposta até agora, perspetiva-se, no futuro próximo, a dois ou três anos, novos medicamentos biológicos, uma vez que estes doentes respondem mal aos corticoides e não respondem/não têm indicação para os biológicos atualmente disponíveis. Estes sãos os doentes que atualmente nos deixam muito “de mãos atadas”, pelo que esta é uma excelente notícia.

Melhorámos muito a nossa oferta terapêutica em asma e em rinossinusite com polipose nasal e penso que nos próximos anos seremos capazes de melhorar alguma coisa em subgrupos de doentes para quem os biológicos atuais ainda não têm indicação.

SO

Notícia Relacionada

Asma não controlada. “Terapêutica tripla de dose fixa na asma melhora a função pulmonar e reduz as exacerbações”

ler mais

RECENTES

ler mais