10 Dez, 2021

Absentismo de enfermeiros aumentou e atinge 20% nalgumas unidades

A taxa de absentismo está "muito relacionada" com situações de “sobrecarga de trabalho", diz o Sindicato dos Enfermeiros.

A coordenadora da Delegação Regional do Porto do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) disse que a taxa de absentismo em várias unidades hospitalares do Norte subiu 17% a 20% em 2021 por causa da exaustão laboral.

“o numero de enfermeiros a faltar ao trabalho subiu em algumas instituições para os 17%” e noutras aumentou para os “20%”, avançou a coordenadora Fátima Monteiro, à margem de uma concentração em frente ao Hospital de São João, no Porto, para reivindicar melhores condições de trabalho da classe dos enfermeiros.

Questionada pela agência Lusa sobre o número de casos de exaustão de trabalho ou de ‘burnout’ dos enfermeiros na área do Porto, Fátima Monteiro asseverou que há “muitos casos” e que a taxa de absentismo está “muito relacionada” com situações de “sobrecarga de trabalho”.

‘Burnout’ é um esgotamento físico e mental decorrente de uma vida profissional desgastante e sobrecarregada, que incapacita o indivíduo de desempenhar tarefas quotidianas tais como trabalhar.

Questionada sobre se houve algum enfermeiro que tivesse morrido da doença da covid-19, Fátima Monteiro disse que “felizmente” não tinha conhecimento de qualquer colega que tivesse falecido da doença provocada pelo vírus Sars-coV-2.

“Felizmente não tenho conhecimento (…), diretamente relacionado com a covid-19. Não quer dizer que não haja. Há infeções”, respondeu a dirigente sindical, lembrando que a vacinação veio dar uma “proteção muito grande” e que a “gravidade dos casos é outra”.

As defesas são outras, assume, referindo que os cuidados e os meios com que se passou a lidar com covid-19 são agora “completamente diferentes”.

O volume de horas extraordinária nos hospitais do Porto aumentou entre janeiro e outubro deste ano em “mais de 500 mil horas” o que significa que faltam “274 enfermeiros”, avisou hoje o Sindicato dos Enfermeiros do Porto.

Cerca de uma dezena de enfermeiros concentrou-se hoje junto ao Hospital de São João para “alertar o Governo e o Ministério da Saúde para os problemas que afetam os profissionais de saúde e neste caso específico os enfermeiros”, explicou Fátima Monteiro.

“Temos de vacinar e temos de contratar”, “Somos necessários, não podemos estar precários”, “Enfermeiros a cumprir devem progredir”, “O risco é profissão! Para todos exigimos compensação”, “Fartos de exploração, exigimos progressão” ou “Enfermeiros exigem admissão de enfermeiros. Justo descongelamentos das progressões. Pagamento do suplemento remuneratório a todos os enfermeiros especialistas” eram algumas das frases que se podiam ler nos cartazes e faixas, esta manhã, na concentração dos enfermeiros.

LUSA

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais