30% pessoas com DMT2 a fazer insulina têm hipoglicemias frequentes

O tratamento de uma hipoglicemia grave tem um custo superior a 1.450 €/episódio. 6 em cada 10 episódios não foram tratados adequadamente.

Até agora tem havido pouca investigação sobre o impacto das hipoglicemias nos familiares das pessoas com diabetes, mas um novo estudo, o TALK-HYPO, demonstra que até 64% dos familiares das pessoas com diabetes sentem preocupação e ansiedade relativamente aos riscos associados à baixa de açúcar no sangue, realçando o impacto que isto tem na família. O estudo demonstra também a importância de ter mais conversas sobre as hipoglicemias com a família e com o médico assistente, pois 76% acredita que estas conversas podem levar a melhorias na vida das pessoas com diabetes.

Também em Portugal está demonstrada a importância de evitar e tratar adequadamente estes episódios de hipoglicemia. Num estudo recente realizado pela APDP, verificou-se que mais de 3 em cada 10 pessoas com diabetes tipo 2 a fazer insulina comunicaram a ocorrência de hipoglicemias num curto período de tempo e 6 em cada 10 episódios não foram tratados adequadamente.

As hipoglicemias são a segunda maior causa de ida às urgências hospitalares das pessoas com diabetes em Portugal. Ao mesmo tempo, os custos associados ao seu tratamento são significativos. O tratamento de uma hipoglicemia grave tem um custo superior a 1.450 €/episódio. Esta é a principal preocupação das pessoas com diabetes a fazer insulina e dos seus familiares, de acordo com o estudo DAWN 2, realizado em Portugal.

Mais de metade das pessoas que vivem com diabetes (55%) raramente ou nunca informam o seu médico acerca dos episódios de hipoglicemia e muitos, com medo, acabam por reduzir a sua dose de insulina sem consultar o médico, o que compromete o controlo glicémico. A campanha “Hipoglicemia. Uma Já pode ser demais” pretende sensibilizar a população para que se informe junto dos médicos ou outros profissionais de saúde sobre como podem prevenir, detetar e gerir da forma mais adequada os episódios de hipoglicemia​.

Quando não são devidamente detetadas e geridas, as hipoglicemias podem ter um impacto negativo na qualidade de vida das pessoas com diabetes tipo 1 e tipo 2 e podem trazer complicações de saúde que aumentam o risco de morte cardiovascular. As mais graves são as hipoglicemias noturnas, que ocorrem quando as pessoas com diabetes e os seus cuidadores não se apercebem do que está a acontecer. “Se um indivíduo estiver a ter uma hipoglicemia e não for tratado, a falta de glicose no cérebro pode levar à morte. Hipoglicemias repetidas podem levar à instalação de quadros de demência, de perturbações mentais e alterações cognitivas profundas e, por isso, as hipoglicemias devem ser evitadas”, explica Davide Carvalho, médico endocrinologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo (SPEDM). Assim, o especialista afirma categoricamente que “não há um número ótimo de hipoglicemias, o número ótimo de hipoglicemias é não ter”.

Na diabetes tipo 2, numa fase inicial, é possível alcançar o controlo glicémico com a alteração de estilos de vida (prática de exercício regular e uma alimentação saudável), sendo sempre necessário o apoio de um profissional de saúde para otimizar este controlo. Na maior parte das vezes com recurso a anti-diabéticos não-insulínicos e, em casos mais avançados, insulina.

Isabel Videira, diagnosticada com diabetes tipo 2 há nove anos e a fazer terapêutica com insulina há seis meses explica: “se a pessoa se conhecer muito bem, bem como a reação do seu organismo aos alimentos, consegue fazer uma boa gestão, mas há momentos em que as coisas fogem ao nosso controlo e que nós não temos noção do que se está a passar porque o organismo reage de formas diferentes.”

“Já tive alguns episódios de hipoglicemias que se traduzem em sintomas de mal-estar e tremores, inclusive hipoglicemias noturnas que só dou conta porque ficam registadas nos dispositivos ”, afirma Isabel Videira.

A Campanha “Hipoglicemias. Uma já pode ser demais” é uma iniciativa da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal, da Federação Portuguesa de Associações de Pessoas com Diabetes, da Sociedade Portuguesa de Diabetologia e da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo, com o apoio da Novo Nordisk, que pretende sensibilizar as pessoas com diabetes para as hipoglicemias. Estas não devem ser vistas como uma consequência natural da diabetes, mas sim como algo que se pode prevenir e lidar através de uma boa gestão da diabetes e da sua terapêutica, devendo as pessoas que vivem com diabetes  estar alerta para as suas consequências a curto e longo prazo.

ler mais

RECENTES

ler mais