“Não vamos desistir de duas coisas. Por um lado, de resolver as falhas [existentes na MAC] e por outro lado, de dotar a MAC de um quadro permanente de anestesistas e, por último, de rever toda a assistência ginecológica e obstétrica na zona de Lisboa”, afirmou Marta Temido na Sertã, distrito de Castelo Branco.

A governante, que falava à margem da inauguração das obras de requalificação do Centro de Saúde local, explicou que aquilo que sabe é que hoje havia dificuldades com a programação de cirurgias na MAC, em função de não estar assegurada a escala de prestação de serviços de anestesiologia.

“Também sabemos que o Conselho de Administração [da maternidade] tinha hoje várias diligências que poderiam terminar no final do dia com esse problema resolvido. Espero que aquilo que foi noticiado recentemente, que era o cancelamento de intervenções cirúrgicas programadas na MAC por falta de anestesias, seja resolvido ou pelo menos atenuado”, sustentou.

Marta Temido realçou que se está num período crítico e que situações destas são recorrentes na MAC, pois têm na sua origem o desmantelamento do quadro de anestesistas quando se pensou que a MAC iria encerrar.

“Desde então [a MAC] tem vivido de prestadores de serviços. E essas escalas são mais difíceis. Tivemos essa situação no Natal e estamos a ter neste verão”, concluiu.

Lusa/SO

ler mais