1 Abr, 2021

Termas de Portugal preparam novas terapêuticas para sobreviventes da doença

As termas de Portugal estão a preparar-se para a "procura pós covid-19" e estão a criar "novas propostas terapêuticas", que estão a ser "desenhadas para dar resposta à recuperação e reabilitação de doentes que sobreviveram à covid-19".

A Associação das Termas de Portugal vai ter “brevemente” novas terapêuticas desenhadas para ajudar à recuperação e reabilitação de doentes que sobreviveram à covid-19, avançou hoje o secretário-geral daquela estrutura, João Pinto Barbosa.

O secretário-geral da Associação das Termas de Portugal (ATP), João Pinto Barbosa, adiantou ontem, durante o “Wellnessbinar” para a apresentação da nova marca Termas Porto e Norte de Portugal, que a rede termal portuguesa está a preparar-se para reativar não só os habituais programas terapêuticos, mas também está a criar um conjunto de “novas terapêuticas” destinadas aos doentes que sobreviveram à doença pandémica da covid-19 e que sofrem variadas sequelas.

As termas de Portugal estão a preparar-se para a “procura pós covid-19” e estão a criar “novas propostas terapêuticas”, que estão a ser “desenhadas para dar resposta à recuperação e reabilitação de doentes que sobreviveram à covid-19”.

“Brevemente poderão encontrar nas termas soluções definidas por protocolos médicos e de serviço que serão posicionados para esse tipo de oferta”, acrescentou João Pinto Barbosa.

O responsável referiu que o território do Porto e Norte de Portugal tem 21 termas e que desse total há já 14 com o selo ‘Clean and Safe’ (o selo de qualidade atribuído pelo Turismo de Portugal), para poderem receber os clientes com a segurança exigida em tempos de pandemia.

A nova marca Termas do Porto e Norte de Portugal quer apostar na divulgação das termas no âmbito da terapêutica, “mas também no âmbito do bem-estar e do lazer, “para que seja um produto turístico opcional para férias e/ou fruição de fins de semana com valor acrescentado daquilo que a água termal tem para oferecer, mas também de todas as infraestruturas e ofertas turísticas das imediações”, como por exemplo a história da região, património edificado, natureza e recursos naturais ou a gastronomia e vinhos.

Segundo aquele responsável, a nova marca Termas Porto e Norte foi também criada para dar resposta aos mercados prioritários das termas nortenhas, designadamente junto do mercado dos lusodescendentes e das famílias.

O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Luís Pedro Martins, adiantou, por seu turno, que o destino Porto e Norte está a “desenvolver ações para captar as comunidades lusodescendentes” para que sejam “clientes parceiros” e também “embaixadores” do produto turístico termal nos países para onde emigraram.

“Queremos colocar os lusodescendentes como um dos públicos para promover as termas da região e encontrar novas soluções”, disse, referindo por exemplo a criação de “pacotes promocionais ajustados” aos próprios seguros de saúde dos respetivos países.

 

Notícias relacionadas:

ler mais

RECENTES

ler mais