26 Abr, 2021

SARS-CoV-2. Quase 1,4 milhões de portugueses já terão sido infetados

Estimativa é do Inquérito Serológico Nacional. O número é muito superior ao dos casos oficiais confirmados, pouco mais de 834 mil.

Cerca de 13,5% da população residente em Portugal tem anticorpos específicos contra o novo coronavírus, conferidos através de infeção por SARS-CoV-2, segundo os dados da segunda fase do Inquérito Serológico Nacional Covid-19, realizado pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA).

Assim, estima-se que 1 387 000 portugueses tenham anticorpos contra o SARS-CoV-2 devido a infeção prévia (cerca de 13,5% da população). Um número que fica bastante acima dos casos confirmados oficialmente. Ontem, a 25 de abril, Portugal registava um total de 834.442 casos de infeção, ou seja, mais de 550 mil portugueses já terão sido infetados sem nunca o saberem e terão alguma imunidade por via dessa infeção por SARS-CoV-2.

Este estudo serológico do INSA envolveu uma amostra de 8.463 pessoas que foram recrutadas entre 02 de fevereiro e 31 de março de 2021. A instituição adianta que a prevalência de anticorpos específicos contra o vírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, na população residente em Portugal, com idades entre 1 e 80 anos, foi de 15,5%, sendo 13,5% conferida por infeção.

Segundo o estudo, foi nas regiões Norte, Lisboa e Vale do Tejo, Centro e Alentejo foram aquelas onde se observou uma maior seroprevalência.

Relativamente às idades, o estudo indica que a “seroprevalência mais elevada foi encontrada na população adulta em idade ativa” e “mais baixa no grupo entre os 70 e os 79 anos”.

Os resultados preliminares da segunda fase do ISN COVID-19 revelam ainda que a seroprevalência estimada para os grupos etários abaixo dos 20 anos não é inferior à da população adulta.

 

98,5% dos vacinados com duas doses têm anticorpos

 

No grupo de indivíduos vacinados contra a covid-19, a proporção de pessoas com anticorpos específicos contra o vírus foi de 74,9%, valor que aumentou para 98,5% quando consideradas apenas as pessoas vacinadas com duas doses há pelo menos sete dias.

O INSA ressalva que “estas estimativas devem ser interpretadas com cautela, dado o reduzido número de pessoas vacinadas no ISN COVID-19”, mas sublinha que “corroboram o efeito esperado de aumento da imunidade populacional contra SARS-CoV-2 à medida que o programa de vacinação for sendo implementado”.

A vacinação é considerada o principal instrumento para o país alcançar a imunidade de grupo, um objetivo que, segundo o Governo, será atingido no final do verão, quando 70% da população adulta estiver vacinada contra a covid-19.

Segundo os últimos dados das autoridades de saúde, já foram vacinadas em Portugal 2.900.151 pessoas, das quais 786.452 já com as duas doses.

A segunda fase do ISN COVID-19 deu continuidade ao primeiro inquérito serológico realizado entre maio e julho de 2020, em que foi estimada uma seroprevalência global de 2,9% de infeção pelo novo coronavírus na população residente em Portugal, não tendo sido encontradas diferenças significativas entre regiões e grupos etários

O estudo foi desenvolvido e coordenado pelos departamentos de Epidemiologia e de Doenças Infeciosas do INSA, em parceria com a Associação Nacional de Laboratórios Clínicos, Associação Portuguesa de Analistas Clínicos e com 33 Unidades do Serviço Nacional de Saúde.

SO/LUSA

Notícias Relacionadas

ler mais

RECENTES

ler mais