2 Mar, 2024

Obesidade: uma doença crónica

Artigo de opinião de Carolina Neves, médica endocrinologista, adjunta da Direção Clínica da APDP e diretora clínica da clínica Qorpo.

Em 2004, Portugal foi pioneiro em reconhecer a obesidade como doença crónica. Contudo, 20 anos depois, esta continua a ser subdiagnosticada e subtratada. Afetando cerca de 30% da população adulta, as pessoas com obesidade continuam a não ser tratadas como outros doentes crónicos.

Esta é uma doença crónica complexa, que se define pela adiposidade anormal ou em excesso que compromete a saúde e aumenta o risco de complicações a longo prazo. É multifatorial e a sua etiopatogenia envolve a interação de fatores genéticos, hormonais, ambientais, comportamentais, psicológicos e microbiota.

A obesidade está na origem de mais de 200 doenças metabólicas, mecânicas ou mentais, tais como a diabetes, doenças cardiovasculares, doença hepática, neoplasias ou depressão, etc. Tem, portanto, um impacto significativo na esperança e qualidade de vida da pessoa e um elevado custo para a sociedade.

O estigma na sociedade e entre profissionais de saúde associado à crença de que a obesidade é uma escolha ou uma questão de força de vontade, inibe a busca de ajuda profissional, atrasa o diagnóstico e compromete o acesso ao tratamento, contribuindo para a progressão da doença e suas complicações.

Reconhecer a obesidade como uma doença crónica, que não tem cura, mas tem tratamento, implica promover o diagnóstico atempado e oferecer as opções terapêuticas mais adequadas à luz das atuais “guidelines” através de uma abordagem multidisciplinar e acompanhamento a longo-prazo.

 

Notícia relacionada

“Estima-se que 10 a 14% dos adultos possam ter diabetes e mais de 60% excesso de peso ou obesidade”

Print Friendly, PDF & Email
ler mais
Print Friendly, PDF & Email
ler mais