3 Mai, 2017

Maior exposição solar não aumenta a produção de vitamina D

A Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC) considerou hoje “um erro grosseiro” aumentar a exposição solar pensando que a pele vai produzir mais vitamina D e lembrou que 20 minutos bastam para as necessidades diárias

“É um erro grosseiro julgar que mais tempo expostos ao sol vamos ter mais produção de vitamina D (…) e é errado aconselhar a população a expor-se mais ao sol, de forma desmesurada, pois vai é aumentar o risco de cancro de pele”, alertou Osvaldo Correia, secretário-geral da APCC, que hoje apresenta os dados mais recentes deste tipo de cancro.

Por causa dos gastos com os suplementos de vitamina D, que dispararam nos últimos anos, o Infarmed, a Direção-Geral de Saúde (DGS) e o Instituto Ricardo Jorge (INSA) já anunciaram que vão avançar com uma avaliação “firme e rigorosa” do diagnóstico e tratamento deste défice vitamínico.

“Têm sido detetados em várias faixas etárias níveis deficitários. Considera-se, de qualquer forma, que dos níveis que têm sido reportados em termos internacionais, dos laboratórios, é preciso saber o deficitário que obriga a fazer suplementação, e isso é em função da patologia que possa estar associada e tem de ser decidido pelo médico”, alertou Osvaldo Correia.

O especialista explicou que a pele, após exposição à luz durante 15 a 20 minutos, em áreas limitadas, pode ter a capacidade de produção de vitamina D suficiente para cada indivíduo, o que invalida a ideia de que mais exposição à luz solar vai aumenta a produção de vitamina D.

Para o responsável da APCC, se de facto existem défices que são necessários corrigir “eles têm de ser suplementados por medicação, tal como os bebés, não é por maior exposição [ao sol]”.

Dados recolhidos pelo Infarmed mostram uma duplicação dos encargos entre 2015 e 2016, valor que quintuplicou em dois anos, passando de 1,1 milhões de euros para 5,7 milhões, incluindo medicamentos com e sem comparticipação.

Já o financiamento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) aumentou num ano de 779 mil euros para 2,1 milhões.

Para o Infarmed, “estes valores, só por si, não permitem concluir que há um sobretratamento do défice de Vitamina D”, mas “a discrepância de valores nos resultados publicados em dois estudos diferentes justifica uma avaliação profunda e esclarecedora nesta área”.

Segundo a autoridade do medicamento, esta investigação está a ser efetuada em diversas vertentes, desde logo relativamente às metodologias utilizadas na determinação dos níveis sanguíneos de vitamina D, à racionalidade clínica na prescrição de medicamentos com vitamina D e às práticas promocionais daqueles medicamentos por parte das empresas farmacêuticas.

LUSA/SO/CS

ler mais

RECENTES

ler mais