19 Out, 2021

Dois terços da população portuguesa tem excesso de peso ou obesidade, diz estudo

A obesidade e o excesso de peso representam um custo direto anual de 1,2 mil milhões de euros em Portugal, um valor equivalente a 0,6% do PIB.

Aproximadamente dois terços da população adulta portuguesa (67,6%) apresentam excesso de peso ou obesidade, sendo que a prevalência de obesidade é de 28,7%, estima um estudo.

“Em 2018, ocorreram 46.269 óbitos por doenças relacionadas com obesidade, o que representa 43% dos óbitos totais ocorridos em Portugal continental naquele ano”, conclui a pesquisa elaborada pelo Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência (CEMBE) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e pela consultora Evigrade-IQVIA.

No plano económico, a obesidade e o excesso de peso representam um custo direto anual de 1,2 mil milhões de euros em Portugal, um valor equivalente a 0,6% da riqueza produzida no país.

As doenças relacionadas com a obesidade são as que mais contribuem para os 1,2 mil milhões de euros de custos diretos em saúde são a diabetes, o acidente vascular cerebral, a doença cardíaca isquémica e a doença renal crónica.

“É importante realçar que o custo do tratamento destas doenças é 88 vezes superior ao custo do tratamento da obesidade `per se´, que ultrapassa os 13 milhões de euros anuais”, refere o estudo “O Custo e Carga do Excesso de Peso e da Obesidade em Portugal”, que contou com o patrocínio científico da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) e o apoio da Novo Nordisk Portugal.

A carga da doença foi avaliada em anos de vida ajustados pela incapacidade, que se juntam os anos de vida perdidos por morte prematura e por incapacidade, o que permite concluir que a “obesidade em Portugal provoca a perda de 203.002 anos de vida” ajustados pela incapacidade por ano, valor que supera o número de anos perdidos por AVC.

“Para percebermos melhor a magnitude do problema, e quando olhamos para a perda de mais de 200.000 anos de vida ajustados pela incapacidade, isto significa praticamente o mesmo que retirar nove dias de vida, por ano, a cada português adulto”, adiantou Margarida Borges, a investigadora que liderou o estudo citada no comunicado.

Segundo a investigadora, estes números demonstram uma “verdadeira pandemia não transmissível e sublinham a urgência” de envolver ativamente a população na prevenção do excesso de peso e da obesidade e de assegurar um diagnóstico precoce e um tratamento adequado das pessoas que vivem com a doença.

Para Paula Freitas, endocrinologista e presidente da SPEO, as conclusões da investigação reforçam a necessidade de um “maior enfoque na prevenção, no reforço da intervenção dos cuidados de saúde primários, na abordagem multidisciplinar, no acesso equitativo ao tratamento adequado – cirúrgico e farmacológico – e à tolerância zero com o estigma e discriminação de que ainda são vítimas as pessoas que vivem com obesidade”.

SO/LUSA

Notícia Relacionada

ler mais

RECENTES

ler mais