5 Mai, 2020

Covid-19: Investigadores estudam forma de prever evolução da infeção

Investigadores da Faculdade de Medicina do Porto (FMUP) estão a estudar a implementação de uma ferramenta “baseada em medicina personalizada, rápida e de baixo custo”.

A ideia é “estratificar melhor os doentes, antecipando a sua evolução clínica”, esclarece João Tiago Guimarães, que lidera este projeto.

“Isto tem impacto para a saúde pública na medida em que, ao classificar melhor os doentes, podemos definir estratégias terapêuticas mais adequadas. Cada pessoa poderá beneficiar de uma abordagem mais personalizada e ajustada às suas necessidades clínicas”, afirma o médico e investigador.

Tiago Guimarães refere que “a ferramenta será construída na plataforma iLoF (intelligent Lab on Fiber) – uma solução validada, totalmente operacional, baseada em algoritmos fotónicos e inteligência artificial, que permite a deteção e identificação de bio-nanoestruturas em dispersões líquidas (por exemplo, no plasma sanguíneo) para medicina personalizada e de precisão”.

A plataforma iLoF, uma tecnologia patenteada desenvolvida pela ‘spin-off’ de mesmo nome e atualmente incubada no FMUP, permite “registar e analisar a impressão digital ótica resultante da interação do feixe de luz com determinadas bio-nanoestruturas, como as que se encontram especificamente desreguladas no plasma devido à resposta inflamatória ao SARS-CoV-2”.

É com base nesta informação que os investigadores pretendem estratificar melhor os doentes.

Além da FMUP, integram este estudo o Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), o INESC TEC e a ‘spin-off’ iLoF.

O projeto, intitulado “CAIRUS – COVID-19 Artificial Intelligence-based Risk Unified Stratification tool for clinical management”, recebeu um financiamento de cerca de 30 mil euros, no âmbito da RESEARCH4COVID19, um programa de apoio especial para implementação rápida de soluções inovadoras de resposta à pandemia de covid-19, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

SO/LUSA

 

[box] Notícias Relacionadas:

Alzheimer: Investigadores de Coimbra exploram possível terapia inovadora

A equipa de investigadores descobriu “um possível novo alvo terapêutico para a doença de Alzheimer”, que poderá representar “um passo importante para o tratamento” dessa doença neurodegenerativa.

Covid-19: Nicotina pode ter efeito protetor, dizem investigadores em França

Em França, vão ser feitos ensaios com adesivos de nicotina. No entanto, o pneumologista Filipe Froes diz que conclusão é estranha, “para não dizer surreal”.

Investigadores do ISPUP vão determinar efeitos da Covid-19 em grávidas e recém-nascidos

Investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto vão usar dados de, pelo menos, 23 unidades de obstetrícia e neonatologia de hospitais públicos.

[/box]
ler mais

RECENTES

ler mais