20 Mai, 2021

Centro europeu de doenças lança plataforma para acompanhar evolução das variantes

ECDC acompanha três níveis de variantes do SARS-CoV-2, classificadas como de preocupação.

O Centro Europeu para a Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) lançou hoje uma nova plataforma que acompanha a evolução das variantes do vírus SARS-CoV-2 na União Europeia (UE) e no Espaço Económico Europeu (EEE).

Segundo anunciou a agência europeia, esta nova ferramenta digital fornece uma “visão geral” das variantes do vírus que provoca a covid-19 consideradas de “preocupação” e de “interesse” entre as amostras sequenciadas nos 27 Estados-membros da UE e nos países do Espaço Económico Europeu – Islândia, Liechtenstein e Noruega.

O ECDC acompanha, no conjunto destes países, três níveis de variantes do SARS-CoV-2, classificadas como de preocupação, quando existem dados claros do seu impacto na transmissibilidade e gravidade das infeções, de interesse, quando os dados são ainda preliminares e incertos, e de monitorização, para as variantes presentes num surto, mas que ainda estão a ser analisadas pelo centro.

Os dados que integram esta nova plataforma de consulta são provenientes do Sistema Europeu de Vigilância (TESSy), que congrega os relatórios semanais submetidos ao ECDC pelos países, assim como da base de dados europeia GISAID.

De acordo com o ECDC, desde que foi identificado o vírus SARS-CoV-2, três variantes de preocupação, identificadas pela primeira vez no Reino Unido (B.1.1.7), na África do Sul (B.1.351) e no Brasil (P.1), foram associadas a uma maior transmissibilidade e gravidade da doença covid-19.

O centro adianta ainda que as linhagens do coronavírus B.1.617.1, B.1.617.2 e B.1.617.3, registadas pela primeira vez na Índia em dezembro de 2020, têm sido cada vez mais detetadas em outros países.

Os dados do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, que acompanha a diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2, indicam que Portugal tinha registado nove casos da variante associada à Índia até 12 de maio, mas sem provas de transmissão comunitária.

Além da variante identificada no Reino Unido, responsável por 91,2% dos casos de infeção em Portugal, as autoridades de saúde confirmaram a transmissão comunitária das variantes associadas à África do Sul (88 casos identificados de covid-19) e a Manaus, no Brasil, (114 casos).

LUSA

Notícias Relacionadas

ler mais

RECENTES

ler mais