Portugal tem incidência mais elevada da Europa Ocidental. “Faz falta um rastreio nacional organizado”

A elevada incidência deste tipo de cancro na população imigrante e a falta de um rastreio organizado a nível nacional explicam os números. No entanto, os casos são diagnosticados em fases cada vez mais precoces, diz a ginecologista Filipa Ribeiro, em entrevista ao SaúdeOnline.

Quais são os sinais de alarme a que as mulheres devem estar atentas?

Na maior parte das vezes, é completamente assintomático. Daí a importância do rastreio, para fazer um diagnóstico precoce. Quando as senhoras têm perdas de sangue anómalas (fora da menstruação); quando perdem sangue nas relações sexuais; quando têm corrimento frequentes com cheiro fétido. São sintomas que surgem geralmente em fases mais avançadas da doença.

De quanto em quanto tempo deve ser feito o rastreio?

A periodicidade do rastreio vai depender do método que aplicarmos. Temos testes com sensibilidades diferentes que permitem apertar ou alargar a vigilância. Atualmente temos 3 tipos de testes que podemos aplicar e não há um consenso (nem em Portugal nem no mundo). Se nas mulheres entre os 21 e os 30 anos fizermos a citologia (o papanicolau), deverá ser realizada pelo menos de 3 em 3 anos.

A partir dos 30 anos (o colégio americano defende até 25 anos), podemos associar o teste à pesquisa do vírus HPV, que nos permite ter uma sensibilidade muito maior para a lesão do colo do útero. Quando temos um teste de HPV negativo, podemos espaçar mais a vigilância (discute-se entre os 3 os 5 anos).

Dra. Filipa Ribeiro: “Cada vez temos conseguido diagnosticar estadios mais precoces. Estadios mais avançados são cada vez mais raros”

Qual é a incidência deste tipo de cancro em Portugal?

Os últimos dados (de 2018) indicavam 8,9 casos por cada 100 mil mulheres/ano. Atualmente surge um caso por dia, o que perfaz 300 a 400 casos/ano.

Todos os casos de cancro do colo do útero são causados pelo HPV?

Sabemos que 99,8% são causados pelo HPV.

Há alguns casos raros descritos de carcinomas em que o teste HPV está negativo. Como também existem casos de citologia negativa em carcinomas do colo do útero. Mas mais uma vez estes casos são uma minoria.

O rastreio com citologia veio diminuir em 70% o carcinoma do colo do útero e quando associado ao teste de HPV esta protecção aumenta em 60-70%.

Portugal tem a mais elevada taxa da Europa Ocidental deste tipo de cancro. Existe alguma explicação para isto?

Nós em Portugal não temos um rastreio organizado a nível nacional. Faz falta um rastreio que convoque as mulheres. Temos nalgumas regiões. A mais antiga é a região Norte, e o grande Porto. Depois, há rastreios organizados a nível local.  Contudo, a maior parte está num rastreio oportunístico, em que só quem tem acesso a cuidados de saúde faz o rastreio. Nós temos uma grande população migrante e, neste momento, as lesões mais importantes verificam-se nesta população, que não tem um bom acesso aos cuidados de saúde.

Há alguns agrupamentos de centros de saúde que chamam as mulheres para o rastreio e que podem ter aqui um papel importante também.

Sim mas do ponto de vista burocrático as coisas não estão completamente oleadas a nível nacional. Mas o papel mais importante caberia ao médico de família.

Do total de casos, quantos chegam a um estadio avançado?

O Cancro do Colo do Útero é o 4º tipo de cancro mais frequente nas mulheres, e a segunda causa de morte por cancro em mulheres jovens (menos de 44 anos), representando 6,6% das mortes femininas por cancro em todo o mundo.

Cada vez temos conseguido diagnosticar estadios mais precoces. Estadios mais avançados são cada vez mais raros. O mais curioso neste cancro é que conhecemos bem a sua história natural: entre uma infeção por HPV e o aparecimento de cancro, podem passar 20 anos. Existem estádios intermédios, que podem ser diagnosticados e vigiados para não evoluírem para cancro. Há aqui uma janela de oportunidade a que temos de dar cada vez mais valor, porque muitas das lesões iniciais podem regredir sozinhas. Aquelas que persistem e se agravam são tratadas e não evoluem para cancro. Raros são os casos que evoluem rapidamente. A história natural é de 10 a 20 anos.

Há, portanto, uma janela temporal muito grande para se atuar.

Exatamente.

A progressão para cancro é evitável com a prevenção primária – através da vacinação e pela prevenção secundária – o rastreio. O foco do ginecologista é esse. Apanhando essa janela, temos diagnósticos precoces e podemos fazer ensino para a saúde, criar hábitos de vida saudável, de reforço do sistema imunitário, de evicção de fatores de risco. Há uma relação direta entre o tabaco e o cancro do colo do útero, que é evitável. Os doentes que têm de fazer terapêutica com corticoides ou imunossupressores têm maior risco.

80 a 85% das mulheres e, segundo um estudo feito em 2018, 85% dos homens também têm contacto com o HPV em algum momento da vida. Depois depende do nosso sistema imunitário, conseguirmos combatê-lo.

Em relação à terapêutica, nos casos em que a doença chega a um estadio mais avançado, quais são as opções para o médico?

Nos estádios mais precoces, pode-se optar por manter a fertilidade e retirar apenas um uma porção do colo do útero ou o colo do útero – traquelectomia e a doente pode ser considerada tratada; ou opta-se por tirar o útero – histerectomia. Em estádios mais avançados pode ser necessária radioterapia externa ou braquiterapia intracavitária.

Nos casos em é necessário recorrer à cirurgia, essas mulheres podem esperar vir a ser mães, se ainda estiverem em idade fértil?

Se retirarmos o útero, não. Mas se tirarmos um pedaço ou mesmo o colo do útero, essas mulheres podem engravidar. Mas é sempre uma avaliação conjunta com o tipo de células que estão no cancro e tendo em conta o estadio.

TC/SO

Noticias relacionadas:

Rastreio do cancro do colo do útero subiu 10% desde 2005

Estudo concluiu que as mulheres portuguesas que vivem em regiões mais pobres e que têm estilos de vida menos saudáveis aderem menos ao rastreio.

Mulheres com rastreios positivos esperam meses para despistar cancro do colo do útero no Santa Maria

Em julho, doentes com lesões pré-malignas viram os exames marcados apenas para 2019. Especialistas condenam a demora e defendem que o tempo de espera não deve ser superior a um mês. ARS diz que vai aplicar um plano de recuperação da lista de espera.

Universidade do Minho propõe terapia inovadora para combater cancro do cólo do útero

Método utiliza medicamentos usados para o cancro da mama. Contudo, esta nova abordagem só pode ser aplicada a doentes com excesso da proteína HER2

A vacina confere uma proteção de 97% para o cancro do colo do útero

Em entrevista ao SaúdeOnline, Virgínia Monteiro, Presidente da Sociedade de Colposcopia e Patologia do Trato Genital da Sociedade Portuguesa de Ginecologia, fara da infeção por VPH suas potenciais consequências e das estratégias de prevenção recomendadas

ler mais

RECENTES

ler mais