Uma equipa liderada pelo investigador do iMM Gonçalo Bernardes identificou uma molécula de água que mantém funcional a proteína fosfatase, presente em bactérias patogénicas como a ‘Mycobacterium tuberculosis’, na origem da maior parte dos casos de tuberculose.

A molécula de água “evita a degradação da proteína”, sintetizou à Lusa o cientista, coordenador do laboratório de Biologia Química e Biotecnologia Farmacêutica do iMM, acrescentando que a descoberta permitirá “desenhar estratégias para atacar” a proteína envolvida em diversas doenças infecciosas, nomeadamente a tuberculose.

Numa nota de imprensa, o iMM adianta que “para desenhar novos medicamentos, é essencial compreender os mecanismos moleculares por trás do funcionamento de proteínas presentes em bactérias patogénicas”.

Para identificarem a molécula de água, os cientistas modificaram quimicamente os componentes da família proteínas fosfatases, recorrendo a técnicas de química orgânica, bioquímica, biofísica e computação biológica. Os resultados da investigação, que envolveu a participação da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, foram publicados na revista científica Chem.

LUSA/SO/SF