23 Nov, 2020

SNS. Saíram para a reforma 544 médicos até outubro

Aposentações aumentaram 33% em relação a 2019, em linha com o esperado. No entanto, últimos concursos ficaram com centenas de lugares por preencher.

Nos primeiros dez meses do ano, 544 médicos saíram por aposentação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mais 135 do que no mesmo período de 2019, segundo dados avançados pela ministra da Saúde.

Em entrevista à agência Lusa, Marta Temido precisou que até outubro saíram 544 médicos do SNS por este motivo, enquanto em igual período de 2019 saíram 409.

Relativamente aos médicos especialistas, adiantou que em outubro havia 19.596 no Serviço Nacional de Saúde, mais 41 face a janeiro (19.555).

“É uma realidade muito distinta daquela que se tem referido que envolve médicos internos e médicos que não são médicos especialistas”, disse Marta Temido, considerando ser importante divulgar estes números para “aquilo que é a leitura desta realidade”.

 

Apenas foram ocupadas 64% das vagas na área hospitalar

 

Marta Temido lembrou ainda o concurso da primeira época de colocação de médicos recém-especialistas realizado este ano, em que foram abertas 911 vagas para a área hospitalar e foram aceites 584 contratos.

Das 435 vagas abertas para a área de Medicina Geral e Familiar, foram aceites 287 contratos e das 39 vagas para a área da Saúde Pública foram realizados 24 contratos.

“O Serviço Nacional de Saúde tem estado a modernizar-se, a renovar-se, a valorizar-se”, disse, sublinhando que este ano houve ainda 236 contratações extraordinárias de 236 médicos.

Marta Temido anunciou ainda que a segundo a época de concursos de recém-especialistas que decorrerá até ao final do ano terá cerca de 250 vagas.

“Todos os dias o Serviço Nacional de Saúde contrata novos profissionais de saúde. Claro, também todos os dias ou em muitos dias se aposentam profissionais e há profissionais que optam por outros locais de trabalho. Isto faz parte da dinâmica das relações laborais”, afirmou.

SO/LUSA

ler mais

RECENTES

ler mais