3 Dez, 2021

Sintomas da Ómicron são menos graves que os da Delta, sugere médica que identificou primeiros casos

Fadiga, dores de cabeça e no corpo, dores de garganta ocasionais e tosse são os sintomas mais comuns associados à nova variante.

A doença covid-19 pela variante Ómicron parece manifestar-se de forma diferente da Delta, com sintomas menos graves e mais ligeiros, diz a médica sul-africana que identificou os primeiros casos. No entanto, ainda é muito cedo para se tirar conclusões sobre a agressividade ou resistência desta nova variante, noticia o Público.

Através do acompanhamento de vários casos de infeção por SARS-CoV-2 com a variante Ómicron, Angelique Coetzee, também presidente da Associação Médica da África do Sul (SAMA), revelou que os doentes se queixam de fadiga, dores de cabeça e no corpo, dores de garganta ocasionais e tosse. Já no caso da variante Delta, era comum registar-se pulsações elevadas, baixos níveis de oxigénio e perda de olfato e paladar.

Ao jornal britânico The Telegraph, Angelique Coetzee confirma que os sintomas parecem ser mais moderados, embora invulgares. No entanto, reforça que ainda é cedo para tirar conclusões.

Segundo revelou, o primeiro caso foi identificado num homem de 30 anos que apresentava sintomas como cansaço e dores de cabeça moderados. Depois de semanas com poucos doentes covid-19, a especialista começou a receber dezenas de pessoas a queixarem-se dos mesmos sintomas. “Os sintomas [de pacientes com Ómicron] eram muito diferentes e moderados comparativamente aos que tenho tratado no passado”, confirmou, acrescentando que os seus colegas têm relatado a mesma experiência.

Perante estes casos, a médica considerou, então, a possibilidade de uma nova variante e informou, de imediato, os cientistas e especialistas que aconselham o Governo sul-africano, sendo que na semana seguinte, os laboratórios já tinham identificado a Ómicron.

“Achei que estes sintomas tão diferentes não podiam estar ligados à variante Delta”, disse a médica. “Não acho [que a variante] vá desaparecer, mas acho que causará uma doença ligeira. Pelo menos é o que espero. Por agora, estamos confiantes de que podemos lidar com isto”, relatou a especialista.

SO

Print Friendly, PDF & Email
ler mais

RECENTES

Print Friendly, PDF & Email
ler mais