[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” […]

Sexualidade após uma ostomia

[et_pb_section admin_label=”section”][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_post_title admin_label=”Post Title” title=”on” meta=”off” author=”on” date=”off” categories=”off” comments=”off” featured_image=”off” featured_placement=”above” parallax_effect=”on” parallax_method=”on” text_orientation=”center” text_color=”dark” text_background=”off” text_bg_color=”rgba(255,255,255,0.9)” title_all_caps=”off” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_css_post_image=”float: left;|| width: 180px;|| height:190px;|| object-fit: cover;|| margin-top: 30px;|| margin-right: 30px;|| margin-bottom: 10px;|| margin-left: 0;|| max-width: 180px;|| border: 3px solid #999999;|| border-radius: 150px;|| -webkit-filter: grayscale(100%);|| filter: grayscale(100%);” module_bg_color=”rgba(255,255,255,0)”] [/et_pb_post_title][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on” custom_css_main_1=”position: relative;||”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_team_member admin_label=”Person” name=”Cláudia Silva” position=”Enfermeira e membro da Associação Portuguesa de Enfermeiros de Cuidados em Estomaterapia (APECE)” image_url=”https://saudeonline.pt/wp-content/uploads/2019/11/enfermeira-cláudia-silva.png” animation=”off” background_layout=”light” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” module_class=”ds-thumbnail-blog-red” header_font=”|on|||” header_font_size=”16″] [/et_pb_team_member][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”Text” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

A ostomia é uma intervenção cirúrgica que permite criar uma abertura artificial no corpo (estoma), com várias finalidades, que vão desde a alimentação e a respiração, à eliminação de fezes, gases ou urina.

Após a criação da ostomia, a pessoa convive com a presença e com o funcionamento do seu estoma, sendo necessário desenvolver competências físicas e emocionais para se adaptar às alterações do corpo, da própria imagem e dos hábitos de vida.

A sexualidade é uma das áreas mais afetadas, tanto pelas alterações orgânicas decorrentes da própria cirurgia e dos tratamentos, como pela dificuldade em lidar com um corpo diferente, com a presença de um estoma e de um dispositivo.

As questões relacionadas com a intimidade e com o prazer sexual são frequentemente relegadas para segundo plano, dado que as inseguranças individuais relativas à capacidade de suscitar desejo sexual são transferidas para os parceiros, resultando frequentemente em períodos de afastamento entre os casais e em abstinência sexual.

A incapacidade de realizar tarefas/atividades habituais pode levar à perda dos diferentes papéis que a pessoa tinha no enquadramento familiar, profissional e social, gerando, sentimentos de desalento, baixa de autoestima, insegurança e disfuncionalidade.

Existem potenciais constrangimentos associados ao funcionamento da ostomia, como fugas e cheiros, ou à presença do dispositivo, criando nas pessoas com ostomia a necessidade de mudar hábitos de higiene, de vestuário e/ou de alimentação.

A sexualidade é uma componente muito importante para a qualidade de vida. Porém, no caso da pessoa com ostomia, passa a existir a presença de um “intruso” entre parceiros.

É necessário que a pessoa tenha uma atitude determinada e proativa, face à doença e à ostomia, e que seja acompanhada por um enfermeiro de Estomaterapia, que a ajude na gestão da imagem corporal, na promoção do autocuidado, da capacitação e da atividade, quer seja motora, social, cultural ou sexual, bem como ao parceiro, diminuindo constrangimentos, dificuldades de comunicação e afastamento entre os casais.

Os enfermeiros de Estomaterapia ajudam a trabalhar a confiança e as emoções, incentivam a pessoa a falar do que mudou e a explorar o corpo, facilitam a adaptação e, com isso, a capacidade de ser e estar consigo e com o outro.

Conselhos práticos:

  • Manter os hábitos de intimidade, carinho e cumplicidade existentes antes da cirurgia.
  • É essencial continuar a dormir na mesma cama do parceiro. Depois da cirurgia, muitas pessoas não querem dormir na mesma cama, porque têm medo de a sujar ou de incomodar o parceiro. No entanto, existem inúmeros dispositivos no mercado, com diferentes características, indicações e resistências, que permitem dormir tranquilamente sem necessidade de alterar os hábitos. As pessoas com ostomia devem experimentá-los e decidir qual o melhor para si.
  • Antes de se deitar, ou de possível intimidade, deve substituir sempre o dispositivo para se sentir mais confortável e confiante.
  • Quando se quer expor ao outro, é importante saber disfarçar ou esconder o que o deixa constrangido. Hoje em dia, existe uma oferta variada de ligas, cintas e roupa interior, tanto para mulheres, como para homens, que ajudam a disfarçar a existência do estoma. A confiança é essencial.
  • Em situações específicas, é possível controlar o funcionamento do intestino. Quem tem ostomia intestinal do cólon descendente (colostomia), pode fazer uma irrigação intestinal que promove a limpeza do intestino, permitindo-lhe não emitir qualquer tipo de conteúdo (fezes ou gases), durante 24 a 48 horas. Ou utilizar uma cápsula (espécie de tampão), que sela a passagem de conteúdo para o exterior e que permite que a pessoa o possa abrir para esvaziar o intestino e voltar a tapar, sempre que necessário. Nem todas as pessoas com colostomias podem utilizar estas estratégias, pelo que é importante que solicitem orientação a uma enfermeira de Estomaterapia.

Desta forma, é possível fazer as atividades diárias, assim como estar na intimidade, sem que o intestino funcione e sem medo de fugas ou outros constrangimentos.

Além das situações aqui apresentadas, associadas à ostomia, existem também alterações na vivência da sexualidade, decorrentes de disfunções sexuais ou da capacidade penetrativa por parte do homem ou da mulher. É fundamental que a pessoa com ostomia fale abertamente com o enfermeiro de Estomaterapia acerca do que mudou depois da cirurgia e de que forma essas alterações o afetam no seu dia a dia e nas suas relações. Existe terapêutica para o efeito e programas de reabilitação sexual disponíveis, para os quais o enfermeiro de Estomaterapia o pode encaminhar.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]
ler mais

RECENTES

ler mais