5 Fev, 2018

Saúde Mental: Intervenção dos enfermeiros torna tratamento mais eficaz

Um grupo de investigadores do Porto concluiu que a intervenção de enfermeiros especialistas, aliada à medicação, é significativamente mais eficaz a reduzir os níveis de ansiedade.

A investigaçãofoi realizada por um grupo de investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e da Escola Superior de Enfermagem do Porto e publicada no Journal of Advanced Nursing.

Os resultados indicam um “efeito positivo da intervenção psicoterapêutica da enfermagem”, realizada por um enfermeiro especialista em saúde mental, registando-se uma clara diminuição dos níveis de ansiedade e um aumento do autocontrolo da ansiedade no final das cinco sessões (45 a 60 minutos/semana) realizadas em cinco semanas consecutivas.

Francisco Sampaio, investigador do CINTESIS e docente na Escola Superior de Enfermagem do Porto, esclarece em comunicado que “os indivíduos que receberam apenas farmacoterapia melhoraram a ansiedade, mas não melhoraram o seu autocontrolo, enquanto os que receberam farmacoterapia e intervenção psicoterapêutica melhoraram mais significativamente os níveis de ansiedade e melhoraram também significativamente o autocontrolo da ansiedade”.

“Isto é fundamental porque, se as pessoas não adquirem estratégias de autocontrolo da ansiedade, no futuro não serão capazes de lidar com a mesma sem o recurso a fármacos”, sublinha o investigador.

Neste estudo, a intervenção psicoterapêutica de enfermagem é composta por um conjunto de técnicas, que pode incluir, “entre outras, terapia de relaxamento, aconselhamento e intervenção em crise”.

“Estes são dados que reforçam a importância do recurso à intervenção psicoterapêutica como complemento do tratamento e que podem e devem ser apresentados aos decisores políticos como uma evidência científica que justifica as intervenções psicoterapêuticas como uma prática autónoma na enfermagem de saúde mental”, afirma o autor do estudo.

Dados da Direção-Geral d