31 Ago, 2023

Regulador e inspeção da Saúde investigam morte de grávida e bebé em Guimarães

A mulher, de 26 anos, grávida de 35 semanas, era acompanhada no Hospital de Guimarães. No domingo dirigiu-se à unidade hospitalar, queixando-se de falta de ar, onde realizou vários exames. Não sendo detetado qualquer problema, teve alta. No dia seguinte viria a morrer, assim como o bebé, na ambulância a caminho das urgências.

“A Entidade Reguladora da Saúde (ERS) e a Inspeção Geral das Atividades em Saúde (IGAS) após terem tido conhecimento do falecimento de uma grávida e do seu bebé, assistidos no Hospital Senhora da Oliveira (HSO), decidiram, no quadro das suas competências legais, instaurar, respetivamente, um processo de avaliação e um processo de inquérito que permitam o cabal esclarecimento desta situação”, referem estas entidades, em comunicado enviado à agência Lusa.

A nota acrescenta que a “ERS e a IGAS decidiram cooperar de modo a obter todos os esclarecimentos necessários de forma complementar”.

Em resposta enviada à Lusa, o HSO diz que se solidariza com a família “neste momento difícil e lamenta a sua perda”, assumindo que atuou sempre de acordo com os protocolos estabelecidos para estas situações. “Nesta altura, o que podemos adiantar é que todo o protocolo clínico foi conduzido, desde o primeiro momento, conforme os procedimentos exigidos nestas situações. Tratava-se de uma utente com comorbilidades, tendo chegado a este hospital já sem vida. Como é protocolado nestas circunstâncias aguardamos o resultado da autópsia”, refere o HSO.

Além destas entidades, o Ministério Público também avançou com um inquérito.

LUSA

Notícia relacionada

Morte de grávida podia ter sucedido mesmo sem transferência de hospital, diz Santa Maria

Print Friendly, PDF & Email
ler mais
Print Friendly, PDF & Email
ler mais